quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Azevias com recheio de maçã



15-20 unidades


Numa época em que passamos 31 dias a comer armados em gulosos, desde manhã até ir dormir, convém olhar às calorias... Por isso, este ano, os doces tradicionais foram... vegetarianos!

Devo comentar que foi uma tarde bem passada na cozinha, com um esforço de braços irrepetível, pelo menos, até ao próximo ano!

Comecemos pelas azevias. Esta receita dá para 15 - 20 unidades, e por unidade consumimos 217 Kcal.

Ingredientes:
- Massa
350 gr de farinha
50 gr de margarina vegetal
pitada de sal
1 ovo
1 dl de água

- Recheio
6 maças
sumo de 1 limão
1,5 colher de sopa de açúcar moscavado
1,5 colher de café de canela em pó

1 ovo para pincelar
óleo para fritar

Na preparação coloquei a farinha num recipiente grande com uma pitada de sal. Juntei a margarina, que cortei aos cubos, misturando com os ingredientes anteriores. Adicionei o ovo e a água, amassando até ficar tudo bem misturado.

Depois deixei repousar por 30 minutos. Tapei o recipiente com uma toalha e coloquei o recipiente dentro de um saco.
O tempo de repouso serve para prepararmos o recheio. Novata por estas andanças, segui a receita à risca, e na minha opinião, o recheio podia ter corrido melhor... A receita original sugere 4 maças, o que se revelou pouco, porque as azevias ficaram com mais massa que recheio.

As maças foram descascadas e cortadas aos cubos pequenos para uma panela, sendo regada com o sumo do limão. Polvilhei com o açúcar e com a canela. Ficaram em lume brando, que fui mexendo, até a massa amaciar. Retirei do lume e deixei arrefecer.






A massa descansou tempo suficiente, por isso, passei a trabalhá-la sobre a bancada enfarinhada. A massa foi estendida ao máximo, e fui cortando rodelas que depois recheei com uma colher de sopa do preparado da maçã.





Com um pincel, pincelei toda a borda, fechando a azevia em meia-lua. Calquei as extremidades e fritei em óleo bem quente.

A minha experiência correu bem, mas tenho a certeza de que se aumentarmos a quantidade de maçãs ficará muito mais saboroso.


A seguir deixo a receita dos sonhos e do bolo rainha!


Bon appétit!

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Massa com molho picante de carne


3



Esta receita apresenta-nos um ingrediente: o cominho. Com a ideia do blog, estou mais interessada em conhecer diferentes aromas, mas advirto que o cominho é poderoso!

Ingredientes:
500 gr de carne picada
3 colheres de sopa de azeite
2 colheres de sopa de calda de tomate
1 colher de café de cominhos
sal
4 tomates
pitada de piripiri
salsa q.b.
1 cebola pequena



Antes de cozinhar a carne, fervi a água e dei início à cozedura da massa que acompanharia a carne.


Entretanto, tinha 2 tomates em água fervida para os pelar e acrescentar à cozedura da carne.

Avançando com a receita, coloquei um bom fio de azeite na frigideira, que deixei aquecer, fritando a carne e conferindo-lhe um tom dourado. Adicionei calda de tomate e os tomates pelados e cortados em pedacinhos. Deixei apurar e temperei com uma pitada de açúcar para anular um pouco a acidez do tomate e uma pitada de piripiri, adicionando os cominhos e deixando ferver por 10 a 15 minutos.

A receita original sugere 1 colher de chá de cominhos, o que considero um abuso, porque a carne fica com um sabor intenso a morcela. Como disse o meu querido, e que pude confirmar depois de ler o verso do pacote dos cominhos, que é uma especiaria usada na preparação das morcelas!

A carne está a cozinhar, bem como a massa. Preparei uma salada, aproveitando para cortar os outros 2 tomates em pedaços e a salsa picada que compôs o prato como podem ver na foto. Ou seja, a carne é servida por cima do esparguete, e o tomate com a salsa e cebola é disposto sobre a carne.



Acredito que reduzindo a quantidade de cominhos teremos uma combinação de sabores intenso e picante, muito mais interessante...




Bon appétit!

Solha au meunier



2
Quando estava a preparar esta receita, lembrei-me do momento em que a Meryl Streep diz "Butter" no filme "Julie&Julia".

Preparei a solha para o jantar, por isso deixei-a a descongelar logo de manhã.
Ingredientes:
2 solhas tam. médio
sal q.b.
leite q.b.
farinha q.b.

100 gr de manteiga
Lavei-a e escamei-a, enxugando com papel absorvente. Depois deixei-as a tomar sal por 30 minutos.

Com uma faca afiada fiz três incisões transversais e pouco fundas no lado mais escuro.

Passei a solha por leite e depois por farinha, fritando na manteiga já derretida, por 4 minutos ou até ficar dourada. Se verificarem que a gordura começa a escurecer, podem ir adicionando pequenas nozes de manteiga.
Caso fritem mais de uma solha, sugiro que utilizem uma frigideira grande que permita fritar ao mesmo tempo, caso contrário será necessário limpar a frigideira da manteiga antiga que começa a queimar.

Este é um dos meus peixes preferidos, com uma carne suculenta e saborosa, infelizmente não consigo comer a pele... Porque com este tom dourado e o aroma a manteiga, é quase um crime exluí-la do acto de comer.


Numa só palavra... butter....



Bon appétit!

domingo, 26 de dezembro de 2010

Carne de porco em vinha-d'alhos


2



Desta vez não falhei, e deixei a carne de porco a marinar!

É verdade que a prática é sinónimo de experiência. Mesmo assim, existe uma série de pormenores que tenho de praticar. Para começar, os que prontamente identifico são a qualidade das fotos e a apresentação dos pratos. Tenho bisbilhotado a concorrência e fiquei impressionada com blogues que me transmitiram um verdadeiro gosto na arte culinária. Não fico decepcionada com o meu querido blog, antes determinada a melhorar!

Continuando com a minha receita, seguem os ingredientes:

200 gr de carne de porco (rojões)
1 dl de vinho branco
3 dentes de alho
0,5 dl de vinagre
louro
sal q.b.


A carne de porco é cortada em pedaços pequenos e colocada a marinar com o vinho branco, os alhos descascados e cortados finamente, o louro, o vinagre e o sal.

Deixei repousar por 2 horas, tempo que aproveitei para ir às compras!

Avançando com a receita, até porque já estávamos com fome, coloquei um fio de azeite na frigideira que deixei aquecer. Escorri a carne da marinada e fritei a carne, adicionando depois a marinada que deixei ferver.

Antes de fritar a carne, descasquei as batatas aos 1/4 para fritar. A receita sugere batata doce. Para quem opte pela receita original, devo lembrar que o tempo de cozedura/fritura da batata doce é menor que o da batata corrente.

Servi a carne de porco, com a batata frita, com pão de soja torrado e com fatias de laranja.

Confesso que ter marinado por 2 horas conferiu ao prato uma mistura aprazível de vinho e vinagre...

Amiguinhos, continuem a visitar o meu espacinho, porque tenho mais receitas para partilhar, e comentem porque a vossa opinião é importante!



Bon appétit!


terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Frango com molho de banana




2 gulosos



O nome deste prato pode parecer estranho, mas sem experimentar não poderia garantir que é uma delícia. Sem dúvida, a repetir!

Fez parte da ementa para um dia especial, que bem justifica um jantarinho especial com a minha cara-metade!

Ingredientes:
1/2 frango
- Para o seu tempero:
sumo de 1/2 limão
sal q.b.
3 dentes de alho
1 folha de louro
colorau q.b.
- Para a sua cozedura:
400 gr de legumes variados: 1/4 de nabo, 1/4 aipo-nabo e 1 cenoura
água


O frango foi temperado e reservado, como sabem sou muito péssima no que respeita às marinadas a que as carnes devem ser submetidas. Apesar de a receita não falar disso, deixei marinar por mais ou menos 1 hora.

Para a cozedura, fervi a água, à qual juntei o frango e os legumes cortados aos 1/4. Deixei cozinhar por aproximadamente 25 minutos. Muito importante, reservem o caldo do frango.

A parte seguinte, implicou uma pequena luta com o frango, que insistia em escapar aos improvisados instrumentos de culinária, indo parar ao lava-loiça! A sorte, é que estava tudo controlado, se é que me faço entender...

Deixei o frango arrefecer, porque tinha de retirar a pele e cortá-lo aos 1/4.

Enquanto isso, aproveitei para fazer a salada de alface com espinafres crus.

Antes de despejar a preparação do molho de banana, aqui ficam os ingredientes:
1/2 cebola
1 colher de sobremesa de manteiga
1 colher de sobremesa de caril
1 banana
2 dl de natas
sal
1 colher se sobremesa de limão

Apesar de deixar as medidas, provem e temperem até conseguirem um sabor agradável a caril e um espectacular aroma a banana.

A ordem de mistura começa por obedecer ao tradicional refogado, ao qual adicionei o caril, 1 dl do caldo do frango, deixando ferver um pouco.

A banana é desfeita em puré, e para o efeito utilizei um garfo, misturando depois as natas que envolvi no puré. Juntando à mistura da cebola, mexendo bem e temperando com sal e sumo de limão.

Acrescentei o frango ao molho e aqueci tudo, retificando o tempero.

Podem decorar com amêndoas, que infelizmente já não tinhamos de reserva.


Para acompanhar fiz arroz branco. E, aproveito para deixar a receita do arroz.

Dependendo do número de pessoas, assim varia a chávena que utilizo, mas para referência, para uma chávena de arroz, dobro a quantidade de água.

1/4 cebola
azeite q.b.
óleo q.b.
1 colher de sobremesa de manteiga
arroz
água
sal

Aqueço o azeite, o óleo e a manteiga, que deixo derreter. Junto o arroz, que mexo até começar a apresentar um tom dourado e brilhante. Junto a água fervida e tempero com sal, deixando cozinhar entre 10 a 15 minutos, mas podemos perceber se está quase pronto por verificar que a água foi quase toda absorvida.


Fiquem para a próxima receita!


Bon appétit!

Mousse de chocolate



Claro que não tem grande ciência, mas apesar da sua simplicidade, dependendo da pessoa que a prepara, a sua consistência varia.

Gosto da mousse a puxar para o líquido, mas com um quê de sólido. A que preparo, com ou sem manteiga, com ovos tamanho M ou L, batendo mais ou menos, fica sempre na mesma... a colher fica quase de pé.

Para os meus leitores mais atentos, apelo a dicas que me possam ajudar a concretizar o sonho de uma mousse perfeita!

Ingredientes:
6 ovos
4 colheres de sopa de açúcar
200 gr de chocolate


Deixei de adicionar manteiga, por questões de eliminar um pouco a quantidade de gordura a consumir. O que é um bocado irónico, quando falamos em preparar um doce.

Como podem ver, reduzo o açúcar, por eliminar o princípio de uma colher de açúcar por cada ovo.

Começo por derreter o chocolate em banho maria, o que é pacífico. Entretanto, bato as claras em castelo, recorrendo ao truque de uma pitada de sal para ajudar no processo.

As gemas misturam-se com o açúcar, até o creme começar a apresentar uma cor esbranquiçada.

À mistura anterior, vamos adicionando o chocolate e as claras, por partes, garantindo uma boa mistura.

Vai ao frigorífico, onde fica a descansar até solidificar um pouco. Normalmente, se a vou servir como sobremesa, é suficiente preparar antes de preparar a refeição.

Ao servir podem adicionar frutos secos.

Fiquem para as próximas receitas: frango com banana e carne de porco em vinha d'alhos.



Bon appétit!

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Salmão grelhado e ovo escalfado


1

Tentei fazer um verdadeiro ovo escalfado, e a tarefa revelou-se complicada. Acho que é uma arte conseguir escalfar um ovo.

Vi um dos programas da Nigella, onde ela escalfa um ovo... com casca!

Deixem a água ferver, e depois acrescentem o ovo que coze por apenas 4 minutos.

A fotografia fala por si!




Bon appétit!

Bolo de chocolate de 4 camadas



Várias


Como prometido, aqui segue a receita de mais um doce! Se estão deprimidos, experimentem, primeiro, porque cozinhar ajuda a eliminar ideias menos boas e a limar humores menos agradáveis; segundo, porque depois do trabalho na cozinha, nada melhor que aproveitar um momento em que nos dedicamos a nós e nos mimamos com uma gulosa fatia deste bolo...

Ingredientes:
Para a massa do bolo:
200 gr de farinha de trigo
275 gr de açúcar
1/2 colher de chá de bicarbonato
50 gr de cacau
175 gr de manteiga
80 ml de natas
1 colher de sopa de baunilha
2 ovos
1/2 chávena de água fervida (+/- 1,25 dl de água)
175 gr de pepitas de chocolate

Para a calda:
125 ml de água
100 gr de açúcar
1 colher de chá de cacau

Para o topping:
Raspas de chocolate


Estou contente porque descobri que um dos instrumentos que tenho no fundo de uma prateleira, é parecido com a máquina que a Nigella usa para os bolos, cuja preparação da massa implica apenas juntar e misturar todos os ingredientes!

Que fácil! Claro que o usei, não perguntem como se chama, porque não sei, mas vou investigar e deixarei uma foto.

Muito bem, misturei todos os ingredientes, com excepção da água e das pepitas de chocolate, que envolvi com uma espátula.

Quanto à água, primeiro medi uma chávena de chá cheia, e depois dividi a metade para saber a quantidade correcta.

Já as pepitas, como não faziam parte da minha despensa, usei uma tablete de 200 gr, medi 175 gr, e parti com uma faca de cozinha. Acreditem, vai dar ao mesmo!

O forno é pré-aquecido a 175º, e a forma é forrada com papel de alumínio. Vai ao forno durante uma hora.

Desta vez, fui mais paciente, até porque aproveitei para engomar, e quando terminou o tempo de cozedura, desliguei o forno e deixei a porta ligeiramente aberta, para esbater as diferenças de temperatura, evitando que o bolo ficasse com aspecto de "enqueijado" ou que diminuisse metade do tamanho!

Depois de arrefecido, e recorrendo a um fio de esparguete (cru, obviamente), fazemos furos no bolo, que continua na forma. O objectivo é que a calda seja bem absorvida. Não se assustem se vos parecer que o meio está cru.

A preparação da calda é fácil, colocamos o açúcar e a água, com a colher de cacau, ao lume. Não mexam com colher quando estiver ao lume, limitem-se a agitar o tachinho, e deixem ferver por 5 minutos.

Com a calda preparada, "regamos" o bolo, com tranquilidade, para que a operação corra bem! Por último, e recorrendo ao resto da tablete de chocolate, usamos a faca para a reduzir a lascas, que usamos para decorar o bolo.

Et voilá! É só comer...



Esperem para ver o ovo escalfado que aprendi a fazer com a Nigella, e que adorei!!!



Bon appétit!

Bacalhau com batata palha gratinado


6
Lembro que estava ansiosa e com pretensões de brilhar, no jantar de anos do meu queridinho, com um rolo de porco recheado com azeitonas, que foi quase um fiasco...

O mesmo não posso dizer, de um jantar que não careceu nem metade do tempo de preparação, e que esperava que fosse muito criticado, porque o meu pai não é fã da batata palha de pacote...

Uma vez mais, ENGANEI-ME!!! E, ainda bem, porque acho que não suportaria mais uma derrota.

Esta receita de bacalhau é com pão, mas como alternativa propõe a batata palha de compra, a que recorro sempre que a preparo.

Desta vez, e como em todas as outras receitas que já partilhei, fiz algumas alterações. Até porque, como comentei, é um prato que repeti mais de uma vez, e o bom das repetições é que podemos adaptar às diferentes sugestões.

Ingredientes:
2 postas de bacalhau
1 dente de alho
1 folha de louro
300 gr de batata palha
0,5 dl de leite
azeite q.b.
200 gr de aipo (bola)
2 dentes de alho
3 cenouras
2,5 dl de natas
60 gr de manteiga
1 ramo de salsa
sal q.b.

A lista de ingredientes é assustadora, mas a receita é simples. Começo por cozer o bacalhau, quem quiser pode optar por cozê-lo em leite, reservando-o para amolecer a batata palha, mas eu cozi em água com 1 dente de alho e 1 folha de louro.

Entretanto, aqueci o leite para amolecer a batata. Recomendo leite magro, para diminuir o excesso de gordura.

O bacalhau já está a arrefecer para ser desfiado, e a batata está a amolecer. Agora, é necessário ralar as cenouras e o aipo, e picar a salsa.

Com tudo preparado, aqueço um fio de onde refogo o aipo e o alho. Se não encontrarem o aipo em formato bola, podem usar cebola, que é o ingrediente da receita original. O aipo é menos ácido, e além disso tem um sabor muito agradável, quase exótico mas muito suave.

O bacalhau já desfiado é adicionado ao refogado, ao qual acrescentamos as cenouras, envolvendo. A batata é o próximo personagem a entrar em cena!

Mas, é importante que já tenhamos a mistura da manteiga e das natas preparada. Deixo a manteiga derreter, e sem queimar, adiciono as natas, que mexo e deixo aquecer.

Portanto, depois das batatas estarem bem envolvidas no bacalhau, adiciono a mistura anterior. Agora, o meu toque, acrescento também o leite onde as batatas amoleceram. Por último, a salsa picada e um pouco de sal para apurar o tempero.

Utilizo um pirex de ir ao forno, untado com manteiga, e o forno é previamente aquecido a 175º. O bacalhau fica a gratinar por 30 minutos.


Em tempos, utilizei pão ralado por cima, mas desta vez decidi não o fazer, e acreditem que o resultado foi espectacular. Na minha opinião, o pão ralado seca esta receita, e ficamos satisfeitos mais depressa, sem apreciar a verdadeira e harmoniosa mistura de sabores.


Um pirex para 6 pessoas em boas porções, foi devorado por 4 pessoas! Não me lembro de ver o meu pai comer tão bem um dos pratos cozinhados por mim, até a minha mãe estava impressionada.


Tenho mais uma receita para comentar convosco, um delicioso bolo de chocolate de 4 camadas, exacto, 4 camadas. Simplesmente maravilhoso!


Bon appétit!

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

"Omolete" com batatas fritas frias




2


Antes de avançar para novas receitas, tenho de partilhar convosco, mais um aproveitamento do que sobrou das refeições anteriores!

Tinha no frigorífico, um resto de batatas fritas, que guardei porque vi no programa "No Reservations" uma receita mexicana que incluía batatas fritas frias, infelizmente, não encontrei na internet nenhuma receita que as incluisse...

Claro que improvisei, lembrei-me de uma espécie de omolete que a Nigella fez, e avancei para o fogão!

Comecei por cortar as batatas com o meu novo instrumento, a minha faca de "aromas". Desfiei o que sobrou do frango com mel assado no forno. Cortei duas fatias de bacon. Bati três ovos, e ralei um bocado de queijo S. Jorge. Piquei a salsa. Por fim, aqueci um fio de azeite na frigideira, e puff... fez-se magia!


Seguem os ingredientes em listagem:
Batatas fritas frias
2 fatias de bacon
frango
3 ovos
queijo S. Jorge
salsa
sal

Depois de o azeite aquecer, coloquei o bacon que ficou com excelente aspecto. Depois o frango e as batatas, que fui mexendo lentamente para que aquecessem.









Fora do lume, adicionei o queijo e a salsa aos ovos batidos, que temperei com um pouco de sal.



Os ingredientes na frigideira estão prontos para receber o último toque, os ovos, que mexemos até estarem cozinhados.



Quem disse que os restos não fazem uma boa refeição? Acompanhei com salada de alface e rabanetes biológicos!

Aceito as vossas sugestões! Porque vivemos tempos de crise que, estão para ficar...

Bon appétit!

Frango com mel assado no forno





4





Estes últimos dias tem sido difícil encontrar tempo para actualizar as receitas. Espero que com esta receita, os leitores mais fiéis, perdoem a falha!
Tinha de escrever a receita, que mais não é do que uma mistura de diferentes receitas que fui lendo. Na semana passada, quando os meus pais jantaram cá em casa, chegámos à conclusão de que sempre que vêm cá, ou jantam bacalhau à brás, ou frango com mel! São os seus pratos preferidos, mas na semana passada, compensei com uma nova receita de bacalhau, que comentarei mais tarde.


Ingredientes:
1 frango
sumo de limão
sal q.b.
2 dentes de alho
colorau q.b.
1 folha de louro
2 colheres de sopa de mel


Caso o frango esteja congelado, sugiro que o descongelem de um dia para o outro, e de manhã, temperem para que fique a marinar até à hora de o cozinhar.

Tempero-o com a lista dos ingredientes, excluindo o mel, que adiciono apenas quando levo o frango ao forno.

O forno deve estar quentinho, a 175º. Costumo colocar uma folha de papel de alumínio sobre um dos tabuleiros do forno, onde coloco o frango, deitando uma colher de mel por cima.

O frango cozinha por 1 hora, o objectivo é ficar bem cozinhado. Controlo o tempo de 1/2 em 1/2 hora, virando o frango, e regando a outra parte do frango com a segunda colher de mel.

Acompanho com batatas fritas e salada.

Acho que não conheço ninguém que não goste de frango! Se é um verdadeiro apreciador desta carne, tem de experimentar esta receita.


Fique para a próxima receita!



Bon appétit!

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Croquetes de peixe



4
Antes do prometido frango com mel assado no forno, teve o meu querido maridinho de comer uns croquetes de peixe!

Ingredientes:
2 colheres de sopa de manteiga
2 1/2 colheres de sopa de maizena
300 gr de peixe cozido
3 dl de leite
salsa picada
sal q.b.
mostarda q.b.
farinha q.b.
2 ovos
pão ralado q.b.

A massa dos croquetes deve ser preparada no dia anterior, para que enrijeça no frigorífico e seja mais fácil de trabalhar.

A manteiga derreteu, e adicionei a maizena, que misturei até se obter uma mistura cremosa e com um tom amarelo maravilhoso. Depois juntei o peixe já desfiado e adicionei o leite.

Ao adicionar o leite a preparados que impliquem a utilização de farinha, é normal que se formem pequenos granulos (palavra tão chique), que podem ser eliminados com uma pequena varinha manual.

Continuando, temperamos o nosso creme com sal, um pouco de mostarda e salsa picada, mexemos até ficar espessa.

O meu maridinho disse que a massa parecia "massa de enchimento"! Parecer, parecia, mas mesmo depois de dois dias esquecida no frigorífico, não foi tarefa fácil...



Tirei uma colher de sopa de massa, que coloquei num prato com farinha, para que absorvesse facilmente o ovo batido. Agora, um truque demasiado importante, que eu desconhecia, que simplifica a vida, e que agradeço a quem o inventou: quando vamos passar a massa do prato da farinha para passar por ovo, usamos dois garfos, e quando a passamos do ovo para o pão ralado, voltamos a usá-los. Só depois de estar bem envolto no pão, é que peguei na massa para a moldar!

Escusado será dizer que do pão ralado passaram para a frigideira com óleo bem quente.

Fritei 3 de cada vez, para evitar que queimassem.

Lembro as dicas que deixei na receita dos rissóis: para nos certificarmos de que o óleo está quente, burrifamos um pouco de pão ralado sobre o óleo, se fritar, está pronto; para evitar que faça espuma, colocamos um pouco de pão, ou uma rolha.

Volto a sugerir que não coloquem muitos a fritar ao mesmo tempo, porque o óleo arrefece. (Ainda ninguém me explicou em terminologia cientifica o motivo!)

Parece que a receita do frango fica para depois, porque tenho duas postas de salmão para grelhar e uma salada de espinafres com tomate para fazer para o jantar!

Até lá...

Bon appétit!

Bolo de bolacha com chocolate



8



Para não deixar de adoçar o meu blog, deixo a receita do bolo de bolacha com chocolate, que o maridinho levou para o trabalho. Infelizmente não temos foto final, até porque o que eu queria mesmo, era uma fatia!

Foi a primeira vez que fiz, e apesar de me ter esquecido de adicionar um dos ovos, disseram que estava muito bom.

Ingredientes:
220 gr de açucar
135 gr de manteiga
2 gemas de ovo
2 1/2 colheres de sopa de coco ralada
60 gr de chocolate em pó
200 gr de bolacha maria
O modo de preparação é facil, e se repararem nos ingredientes, podem verificar que não são muito diferentes dos da mousse de chocolate.

Começamos por misturar a manteiga e o açucar até obter uma mistura cremosa. Adicionamos as gemas, uma a uma.

Já temos um creme fofo, ao qual adicionamos o coco ralado, o leite e o chocolate em pó. Misturamos muito bem.

Forramos uma forma, ou um pirex, com papel de alumínio ou vegetal. Eu usei de alumínio.




Depois, deitamos uma camada do creme, que alisamos, dispondo as bolachas e preenchendo os espaços com pedacinhos.




Repetimos até a última camada ser de creme.

O bolo fica no frigorífico, de um dia para o outro.

Deixo uma pequena observação: usei uma forma de fundo amovível, e que permite alargar a parte lateral. No dia seguinte, e antes de servir, passei uma faca em toda a volta para prevenir que o bolo, eventualmente colado, ficasse com uma apresentação menos bonita. Como o fundo estava forrado, era só cortar as fatias.

Quando repetir a receita, deixo uma foto final.


Prometo que me esforçarei por melhorar a qualidade das fotos!
Tenho mais receitas para escrever, como por exemplo o frango com mel assado no forno, e um
bacalhau de lamber os dedos!


Bon appétit!

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Lombo recheado com azeitonas



8


Este foi o prato principal que servi no jantar de anos do meu maridinho, apesar de estar bem cozinhado e preparado, não posso dizer que foi devorado.

Registarei as dicas, para quem quiser experimentar.

Ingredientes:
4 dentes de alhos
230 gr de azeitonas verdes
1,5 kg de lombo de porco
4 cebolas
4 colheres de sopa de óleo
1 folha de louro
1 raminho de tomilho
2 dl de vinho branco
sal q.b.
A parte do recheio soa mais difícil do que parece. Fiz um corte em todo o comprimento, e depois fiz dos cortes na diagonal, um de cada lado, por forma a que o lombo ficasse todo aberto. Segue fotografia:



As azeitonas são cortadas grosseiramente, e aqui aproveito para me gabar da minha faca de aromas que esteve à altura! Já o alho, optei por ralar. Portanto, depois das azeitonas e do alho, tempera-se com sal. Para quem goste, podem temperar com pimenta.


Sugestão do sogrinho, misturar azeitonas pretas. Façam isso, é capaz de ficar bem melhor.


Depois vem a parte mais complicada para quem tem pouca prática na utilização do fio da cozinha, foi a primeira vez que usei, e posso dizer que não é difícil. O complicado foi perceber como o deveria enrolar, infelizmente não tirei foto, mas acho que dá para perceber pela foto final.


O lombo vai a alourar em óleo previamente aquecido e em lume forte, baixando depois de alourar de todos os lados. Este processo leva alguns minutos... Tenham em atenção o diâmetro da frigideira, usei uma com 23 cm que quase não foi suficiente para 1 lombo com 1,5 kg, que teve de ficar ligeiramente torto.


Utilizei um pirex para ir ao forno, onde coloquei o lombo no centro, juntando as cebolas, o alho, o louro e o tomilho.


Para garantir o sucesso da cozedura da carne, cobri com papel de alumínio nos primeiros 30 min, deixei no forno por 1,5 h. No final reguei com o vinho branco.


Se gostam de fruta, sugere a sogrinha, que o lombo seja recheado com ameixas.


Para um prato requintado, deveria ter acompanhado com puré, mas optei pelas batatas fritas.


Acho que no dia seguinte estava mais saboroso.




Experimentem e comentem...




Bon appétit!!!

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Faca de aromas


Está quase a fazer um ano que descobri a cozinheira que existe em mim! O que coincidiu com a emissão do programa "A cozinha da Nigella" na SIC Mulher.

Observadora como sou, não deixei de reparar nos espetaculares utensílios que tornam a mais árdua ou monótona tarefa culinária, num mero passatempo.

Tudo isto para comentar convosco que encontrei a faca de aromas, pelo menos é assim que vem etiquetada!
Como demorei um ano a encontrá-la, vou fazer publicidade, para os que como eu a queiram e não tenham por perto uma loja de instrumentos de culinária para experts. Está à venda na Loja do Gato Preto por 9,90€.
Bon appétit!

Pudim de croissant



4
Sou pessoa para comer o pudim sem a ajuda de mais alguém! Depois de uma noite na cozinha a preparar a pizza para o jantar, a massa para os croquetes de peixe e o pudim de croissant, nada como um momento de descanso e um prato com uma boa fatia de sobremesa...
A receita é simples, os ingredientes limitados e o tempo de preparação é mínimo. Já o sabor, é máximo.
Ingredientes:
100 gr de açúcar
água
125 ml de natas
125 ml de leite
2 ovos
1 cálice de whisky
2 croissants
Colocamos as 100 gr de açúcar num tacho pequeno, bem como a água para fazer caramelo. Não sei precisar a quantidade de água que coloquei, mas deixem um dedo acima do açúcar.
Esta mistura não deve ser mexida com colher, devemos sim, agitar o tacho constantemente e ligeiramente até começar a apresentar alguma consistência e a ficar dourada.
Misturei as natas, o leite e os ovos, que mexi bem, adicionando depois o whisky. Devo dizer que o whisky foi a alternativa ao bourbon que não consta da nossa garrafeira.
Continuando, desfiz os croissants que não são do dia, e coloquei-os num pirex, juntando a mistura anterior e o caramelo.
Vai ao forno a 180ºC por 20 min.
Entretanto vou comer mais uma fatia!
Desisti da receita do bolo de chocolate com amêndoas, e vou fazer amanhã o chocolate guinness cake, sem guinness mas com sagres! É dia de festa! O meu maridinho faz anos, o que significa 2
receitas novas!
Fiquem por aqui...
Bon Appétit!

Novilho estufado com macarrão



4
Continuando pelos pratos mais saudáveis, isto porque hoje estávamos com desejos de pizza, cozinhei novilho que demorou duas horas a estufar.
O tempo que demorou permitiu actualizar o blog, o que aconteceu no passado dia 30 de Nov.
Acreditem em mim, quando digo que valeu a pena, apesar do desperdício de gás.
Ingredientes:
azeite q.b.
1 cebola média
2 dentes de alho
200 gr de novilho
3 cebolas
100 gr de aipo
100 gr de nabo
água
sal q.b.
macarrão
O famoso refogado está a acontecer, salto a parte do tempero da carne de novilho, porque quando a compro e antes de congelar, tempero-a com sumo de limão, sal e pimenta.
Quando a cebola começa a amolecer, junto a carne, e aqui, recorro a mais um truque da Nigella, o refogado leva apenas 1/2 da cebola acrescentando o resto depois de colocar a carne e esta fritar um pouco, o objectivo é fazê-la suar para que fique mais macia.
Vamos adicionando água conforme necessário, espreitei o estufado a cada 30 min. No final da 1ª hora, acrescentei a cebola, o nabo e o aipo que cortei previamente aos cubos. Adicionei também um ou dois ramos de salsa só para dar gosto.
Depois de 2 horas a estufar, o toque final... juntei o macarrão, que envolvi e acrescentei a água suficiente para que cozesse a massa e ficasse com algum caldo. A massa coze em 10 min.
Para que apurasse um pouco, aproveitei para fazer uma salada de tomate e lavei a loiça que sujei na preparação do jantar.
Aconselho aos mais cépticos, é uma mistura de aromas e sabores...
Aprendi uma coisa, o facto de deixar a cozinhar por duas horas, permitiu a criação de um caldo delicioso, em vez de uma água insípida!
Continuarei a actualizar as receitas, até porque tenho uma novidade, que vem já de seguida... O pudim de croissant da conhecida chef Nigella.
Bon appétit!

Tortilha económica





2




Atentos à crise, podemos afirmar que na nossa cozinha, nada se estraga e tudo se ganha, pois tudo se transforma.

Com o que sobrou da receita de frango com camarão, e com um resto de esparguete que acompanhou as almôndegas de carne cozinhadas à dias, fiz uma espécie de tortilha económica.

Ingredientes:
1/2 cebola
1 colher de sopa de azeite
4 ovos
sal q.b.
dose de esparguete para 1 pessoa
1/2 peito de frango
2 camarões
salsa q.b.


Como sempre, começo por cortar a cebola, o frango e os camarões, também cortei um pouco o esparguete por forma a reduzir o seu tamanho, mas sem o cortar demasiado. Aproveitei para bater os ovos, e cortar a salsa que juntei aos ovos.


Preparei o refogado até a cebola amolecer e começar a alourar, juntando o peito de frango e os camarões. Misturei muito bem por forma a aquecer o frango e os camarões, adicionando de seguida o esparguete que esperei que aquecesse.


Depois de estar tudo bem misturado, junto os ovos e a salsa e deixo cozinhar, mais ou menos 2 a 3 min. O objectivo é que a parte em contacto com a frigideira se forme permitindo virar a nossa tortilha com segurança. Basta estarmos atentos ao facto de a parte visível começar a cozer.


Como não tenho uma frigideira própria para o efeito, uso uma tampa de um tacho que seja maior que a frigideira. Tapo a frigideira, levanto do lume e viro-a ao contrário, fazendo deslizar a tortilha de novo para a frigideira continuando a cozedura.


Como é possível observar na fotografia, acompanhei a tortilha com uma salada de tomate e cebola temperada com os oregãos, sal, vinagre e azeite.




Entretanto, e como o blog continua sem ter uma edição diária, tenho mais algumas receitas para partilhar.



Bon appétit!