quinta-feira, 31 de março de 2011

Tarteletes de grão

12 unidades


Estes bolinhos são dos meus favoritos, mas nunca os havia comido caseirinhos e muito menos, feitos por mim!


O engraçado é que os preparei para a sobremesa do almoço de domingo, em que contámos com a presença dos meus pais que, apesar de eu ter dito que era sobremesa, limitaram-se a ouvir o que lhes apetecia e, começaram pela sobremesa! A minha mãe, tão gulosa quanto eu, disse que pensava que eram um salgado, e disse-o com um ar de menina pequenina que acabou de fazer asneira e tem medo de ser repreendida! Claro que não fiquei nem um bocadinho aborrecida, até porque, com um ar tão mimoso, quem se atreveria a ficar aborrecido?


A listinha de ingredientes:

Para a massa exterior:

- 200 gr de farinha;

- 2 colheres de sopa de óleo;

- 2 colheres de sopa de açúcar;

- 1 ovo;

- água q.b.


Para o recheio:

- 250 gr de açúcar;

- 0,7 dl de água;

- 1 lata pequena de grão;

- 6 gemas;

- 1/2 limão (raspa);

- 1 colher de sobremesa de farinha;

- 1 colher de chá de canela em pó;

- 80 gr de amêndoa.


Modo de preparação:

Numa tigela, junte a farinha e adicione o óleo, o açúcar e o ovo. Acrescente a água aos poucos, até obter uma massa macia e moldável. Deixe repousar durante 20 min.


Entretanto, prepare o recheio: Junte o açúcar com a água e leve ao lum e até obter um ponto de fio. Escorra o grão e retire a pele, passando-o pelo passe-vite para triturar. À parte, junte as gemas com a raspa de limão e a farinha e mexa bem. Verta o açúcar em fio, mexendo sempre. Acrescente a canela, a amêndoa e o grão e envolva bem.


Ligue o forno a 180º C e unte as tarteletes com manteiga.


Estenda a massa que reservou até ficar bem fina e cobra as tarteletes.


Verta o preparado nas tarteletes e disponha-as num tabuleiro. Leve ao forno por 40 min. Deixe arrefecer e desenforme.


Agora, uma revelação! Não tinha amêndoas, até me doeu o coração!, lembrei-me que tinha amêndoins com sal, que lavei muito bem para retirar o sal e sequei com papel absorvente picando-os de seguida!


Estavam uma delícia! É uma receita a repetir.


Espero que também gostem!
Bon appétit!

quarta-feira, 30 de março de 2011

Salsichas frescas com couve



2


Terei sido a única pessoa que se emocionou ao ver o Tony despedir-se da sua família para ir para a Guerra do Ultramar? É verdade, adoro ver a série do canal 1, "Conta-me como foi". Já via a versão espanhola, mas a nossa é bem melhor! Porque é nossa! Tenho pena que esteja prestes a terminar.


Não quero tornar o post melancólico, até porque o meu objectivo é falar das aventuras culinárias. Para dar uma pitada de alegria e transmitir cor e sabor aos meus dias e aos dos que têm tido a simpatia de me acompanhar.


Assim, seguem os ingredientes e modo de preparação para as salsichas frescas, que perduravam na minha memória dos sabores.


Ingredientes:

- 4 salsichas frescas;

- 10 folhas de couve;

- 1/2 cebola picada;

- 1 dentes de alho;

- 2 tomates pelados;

- 1 cubo de caldo de galinha;

- 1 folha de louro;

- sal e pimenta;

- 2 colheres de sopa de azeite;

- 1 copo de água (200 ml);

- palitos de madeira.

Modo de preparação:

Comece por cortar os talos das couves, lavando-as de seguida. Coloque numa panela com água a ferver e deixe escaldar por 5 min. Depois, retire folha a folha e reserve.


Coloque o azeite num tacho largo e, depois de aquecido, junte a cebola picada, o alho e o louro, deixando refogar.


Enrole uma salsicha em duas folhas e prenda com um palito em cada ponta. Repita até todas as salsichas estarem enroladas com a couve!


Pique os tomates pelados e junte ao refogado.


Adicione as salsichas. Aqui, a receita original sugeria 1 copo de água e 1 copo de vinho branco. Como o vinho branco tinha acabado, optei por adicionar 200 ml de água onde dissolvi o caldo de galinha.


Tempere com sal, pimenta (e cravinhos se tiver!).


A meio da cozedura, vire as salsichas. Cozinha por 30 minutos.


Acompanhe com arroz de manteiga. Fácil de preparar: aqueça uma colher de sopa de azeite e algumas nozes de manteiga (aproximadamente 2 colheres de sopa). Quando a manteiga derrete, junte o arroz e deixe alourar um pouco. Junte o dobro da medida de arroz de água fervida. Cozinha por 10-12 min, ou até ficar sem água.



O arroz estava uma delícia!



No domingo os meus pais almoçaram connosco, e fiz pastéis de feijão para sobremesa! Tema do próximo post.



Bon appétit!

terça-feira, 29 de março de 2011

Bolo de mousse de chocolate




8

Este bolo é uma delícia, principalmente se incluirmos na sua preparação os palitos la reine que, não existindo em stock foram substituídos por ... bolacha maria!


Quase podemos chamar de bolo de bolacha!


Seguem os ingredientes para uma sobremesa bombástica:

- 130 gr de manteiga;

- 5 colheres de açúcar;

- 4 ovos;

- 200 gr de chocolate de culinária;

- 400 gr de palitos la reine (aqui substituídos por bolacha maria);

- 1 cálice de água;

- 1 cálice de vinho do Porto.


Modo de preparação:

Este modo de preparação não segue o sugerido pela receita, pois depois de preparar este bolo uma série de vezes, conclui que não é muito diferente da mousse. Por isso, ignoro a sugestão de amolecer a manteiga e batê-la com o açúcar e os ovos, e derreto-a juntamente com o chocolate.


Derreta a manteiga juntamente com o chocolate. Entretanto, bata as gemas com açúcar até obter um creme esbranquiçado. As claras devem ser batidas em castelo.


Ao creme das gemas com o açúcar, adicione parte do chocolate derretido envolvendo bem e acrescentando depois parte das claras em castelo, processo a repetir até acabar os preparados de chocolate e de claras.


Numa taça junte a água e o vinho do porto onde mergulhará as bolachas.


Comece por barrar a superfície do prato de servir (sugiro um pirex ou tupperware) com a mistura de chocolate, depois uma camada de bolacha, repetida as camadas até acabar a mistura do chocolate. A última camada deve ser de chocolate.


Apesar de ter usado todo o chocolate, pode reservar um pouco ao qual adicionará 2 dl de natas e 5 colheres de açúcar, usando esta mistura para cobrir o bolo. Com esta medida, a manteiga deverá ser amolecida e acrescentada às gemas e ao açúcar, evitando que a cobertura fique enjoativa.



Experimente, as duas versões! É uma excelente maneira de acabar uma semana de stresses e começar o fim-de-semana bem consolado!




Bon appétit!

Bacalhau à lagareiro (à minha maneira)



2


Decidida a controlar o peso, decidi jantar sopa ou salada evitando farináceos, arroz e batata depois das 18h00. Parece estar a resultar mas, para uma gulosa como eu, tinha de existir alguma excepção, por isso, de sexta ao jantar a domingo ao almoço esqueço as minhas regras!


Assim, o jantar de sexta foi bacalhau à lagareiro com batata assada no forno. E, para sobremesa, um bolo de mousse de chocolate! Com certeza que concordarão comigo de que é uma ementa bem gulosa!


Ingredientes para o bacalhau:

- 2 postas de bacalhau;

- 6 dentes de alho q.b.;

- 1 folha de louro;

- 1 pimento verde ou vermelho;

- 2 fatias de bacon;

- azeite q.b.;

- 6 batatas pequenas;

- sal grosso.


Modo de preparação:

Pré-aqueça o forno a 200ºC. Lave as batatas para retirar a sujidade e coloque num tabuleiro de forno, salpicando com sal grosso e regando com azeite. Leve ao forno durante 25 min.


Passados os 25 min, junte o bacalhau, o louro, o alho e o pimento limpo de sementes e cortado às tiras. Coloque a fatia de bacon sobre cada posta de bacalhau e regue tudo com azeite, levando ao forno por 25 min.


A receita sugere que seja acompanhado de salsa fresca e borrifado com vinagre, parte que saltei porque a fome apertava, e porque não li o final!


A fatia de bacon é sugestão pessoal e dá um gostinho especial.


Para quem tenha por hábito congelar os pimentos, sugiro que deixe descongelar totalmente antes da preparação da receita, caso contrário, arriscam-se a comer bacalhau cozido no forno! Que foi o que nos aconteceu, mas apesar deste pequeno descuido, não sobrou nada!



Querem saborear o bolo de mousse de chocolate? Espreitem o próximo post!




Bon appétit!

sexta-feira, 25 de março de 2011

Almôndegas de carne com cogumelos



3


Devia estar inspiradíssima quando preparei estas almôndegas com cogumelos fresquinhas que, na minha modesta opinião, estavam uma delícia.

Estas últimas duas semanas trabalhei por um mês inteiro. E, como comentei no post anterior, começámos com as limpezas e arrumações, com o principal objectivo de organizar pequenos espaços aproveitando-os ao máximo. Isto para explicar, que além de passar poucas vezes no blogue, não ando com espírito de conversadora.


Deixo os ingredientes:
- 300 gr de carne de porco picada;
- 1/2 cebola;
- 50 gr de manteiga;
- 4 cogumelos brancos frescos;
- 2 colheres de sopa de polpa de tomate;
- 2 colheres de sopa de vinho tinto;
- Água q.b.;
- Pitada de açúcar;
- Coentros.


Modo de preparação:
Tempere a carne com sumo de limão q.b., sal e colorau. Pique a cebola e coloque a manteiga no tacho para ir derretendo. Lamine os cogumelos.

Com a manteiga derretida, adicione a cebola e deixe-a cozinhar um pouco acrescentando depois os cogumelos que não devem ficar sobrepostos.

Vá formando pequenas bolas com a carne, a acrescentar logo que os cogumelos apresentem estar cozinhados. Não devem ser mexidas com qualquer instrumento culinário, mas sim, vá agitando suavemente o tacho permitindo que as almôndegas virem e cozinhem.

Junte a polpa de tomate e a pitada de açúcar. Acrescente o vinho tinto e um pouco de água fervida para fazer o caldinho. Adicione os coentros picados, sem abusar para não intensificar o sabor.

Deixe cozinhar em lume baixo por 15-20 min.


Acompanhe com esparguete, que deve cozer em água fervida temperada com sal e, se gostar, adicione um caldo knor de legumes. O esparguete coze por 10-12 min, prove até estar a gosto.



Espero que goste tanto quanto eu e o S. gostámos!




Bon appétit!

quarta-feira, 23 de março de 2011

Espetadas de porco com pimento




4


Sem grandes recursos para um prato mais elaborado, até porque procurava algo fácil e rápido, tive a ideia de fazer umas espetadas onde o pimento assado e o alho foram os reis da festa.

Ingredientes:
200 gr de carne de porco
1 pimento vermelho
1 pimento amarelo
alho q.b.

Modo de preparação:
Comece por temperar a carne de porco com um pouco de sumo de limão, sal e colorau.

Entretanto, asse o pimento que pode untar com óleo e deixar sobre uma frigideira quente ou assador próprio para o efeito. Logo que aparentem uma boa assadura, coloque-os dentro de um saco plástico e deixe no frigorífico para facilitar a operação de pelar.

Pelados os pimentos, e descascados os alho, é só preparar as espetadas. Comece por um pouco de carne, depois o pimento e depois o alho, repetindo até a espetada estar bem guarnecida.

Coloque as espetadas no grelhador bem quente, e deixe cozinhar bem. Demorará aproximadamente 20 min. Pode ir polvilhando com ervas de provence e um fio de azeite enquanto cozinham.


O acompanhamento é o que desejar, mas eu sugiro uma salada.



Bon appétit!

Paté de roquefort



Estou de volta, depois de uns dias um pouco atribulados e preenchidos com tarefas domésticas que nos deixaram de rastos! Entre limpezas mais profundas e pequenas alterações na decoração, estamos a tratar da horta na varanda.

Na semana passada, sem grande paciência e porque não contava fazer o jantar, surgiu um improviso de entradas para satisfazer as nossas barriguinhas que reclamavam comidinha!

Assim surgiu o paté de roquefort que ajudou a escoar o stock deste queijo.

Seguem os ingredientes:
- 80 gr de queijo
- 1 colher de café de manteiga sem sal
- 4 nozes
- natas q.b.

Modo de preparação:
Desfaça o queijo com um garfo e adicione a manteiga, envolvendo-a bem. Junte as nozes partidas e, por último, as natas que deve acrescentar aos poucos até obter a consistência desejada.


Recomendo, porque até o S. que não é muito adepto deste queijo gostou e pediu para repetir.


Bon appétit!

quinta-feira, 17 de março de 2011

Carne de porco à Alentejana





3



Esta semana estou de rastos, mas satisfeita por estar a cumprir o meu objectivo pessoal para esta semana! O que significa que amanhã, provavelmente, teremos uma refeição especial. Sem vinho, pois decidi deixar de beber, ainda que o fizesse muito raramente. Quero ter a certeza se, os quilinhos a mais estão ou não parcialmente relacionados com o seu consumo.

Claro que ando a comer sopinha com base de beringela e sem batata... Não é difícil de comer, mas estou numa fase em que me apetece bife com batatas fritas. Sentem o mesmo quando começam a tentar controlar as calorias ingeridas diariamente?


Seguem os ingredientes para a receita deste post, adaptados ao que havia na despensa:
- 200 gr de carne porco
- 1/2 cebola
- 2 dentes de alho
- 2 colheres de sopa de azeite
- 2 colheres de sopa de vinho branco
- 2 colheres de sopa de polpa de tomate
- pitada de açúcar
- 2 colheres de sopa de pickes picados
- batatas fritas cortadas aos cubos
- salsa picada q.b.


Modo de preparação:
Comece por descascar as batatas, cortando-as aos cubos (=quartos) e reserve em água.
Corte a carne em quadrados pequenos.

Pique a cebola finamente e rale, ou pique, 2 dentes de alho.

Coloque o azeite na frigideira, permitindo que aqueça um pouco e acrescente a cebola picada seguida do alho. Deixe cozinhar até a cebola ficar branda.

Entretanto, coloque as batatas para fritar, sem encher demasiado o cesto.

Ao refogado, junte a carne e deixe alourar, acrescentando depois o vinho e a polpa de tomate. Deixe cozinhar um pouco e acrescente um pouco de água fervida. Adicione pitada de açúcar para quebrar a acidez do tomate e deixe cozinhar por mais 10 min.

Com o lume desligado, junte as batatas ao preparado da carne e acrescente os pickles e a salsa picada envolvendo tudo.



É só servir, e comer!




Bon appétit!

quarta-feira, 16 de março de 2011

Creme de alho-francês com arroz

(In Activa 1,2,3 sopas)

4



Depois de termos dado um salto a Lisboa para apoiar as gerações à rasca e à rasquinha, pois efectivamente temos um pouco das duas, nada como chegar a casa e preparar uma sopinha!

Ingredientes:
1,5 lt de água fervida
1 alho francês
80 gr de arroz
1 cenoura
azeite
sal
tiras de pimento assado

Preparação:
Em uma colher de sopa de azeite refogue o alho-francês limpo e cortado às rodelas, o arroz e a cenoura também cortada às rodelas. Adicione a água fervida e tempere com sal deixando cozinhar por 20 minutos em lume brando. Triture tudo com a varinha mágica.

Numa frigideira antiaderente ou num grelhador asse porções de pimento amarelo e vermelho untados em azeite. Logo que estejam bem assados, coloque num saco fechado para ser mais fácil de pelar.

Sirva bem quentinho!




Bon appétit!

segunda-feira, 14 de março de 2011

Bolo de iogurte



Não há nada como terminar um dia de trabalho e fazer um bolo. Nada como surpreender o maridinho que, ao chegar a casa, é recebido pelo cheirinho de um bolinho acabado de fazer.

Por isso, fiz um bolinho de iogurte!

Ingredientes:
3 ovos
1 iogurte natural
2 medidas (copo de iogurte) de açúcar
3 medidas (copo de iogurte) de farinha com fermento
3 colheres de sopa de margarina
1 colher de chá de extracto de baunilha
manteiga e farinha para untar

Preparação:
Pré-aqueça o forno a 180ºC e unte a forma de 19 cm com manteiga polvilhando-a com farinha.

Bata os ovos na batedeira até formar uma espuma.
Acrescente o iogurte, a manteiga, o açúcar, a farinha e a baunilha, mexendo bem entre cada adição.

Baixe a temperatura para 150ºC e deixe cozer por 50-60 min, ou até o palito sair seco.

Estava uma delícia! Para me conter, dividi o bolo com os meus pais!



Bon appétit!

quinta-feira, 10 de março de 2011

Caril de Frango







3

Já deixei as receitas das últimas sobremesas preparadas, mas ficou para depois a receita do prato principal. Foi a primeira e a segunda vez que preparei caril de frango, sem leite de coco porque está esgotado aqui na zona.

Pensava que fosse mais elaborado de preparar e, pelo resultado, posso dizer que estava óptimo, pois não sobrou nada.


Ingredientes:
4 coxas de frango
1 cebola
2 dentes de alho
2 colheres de sopa de azeite
2 colheres de sopa de óleo
4 colheres de sobremesa de caril
2 grãos de piripiri
1 chávena de caldo de galinha
1,5 dl de natas


Modo de preparação:
Comecei por retirar a pele ao frango que reduzi a pedaços de frango cortados quase em strogonoff.

A cebola foi picada finamente e o alho ralado.

Coloquei o azeite e o óleo a aquecer no tacho.

Aproveito para abrir um parêntesis e deixo a minha pequenina sugestão: não deixem o azeite e o óleo aquecer demasiado, caso contrário, preparem-se para um festival de salpicos ao adicionarem a cebola e o alho!

Depois de ter refogado um pouco, juntei o frango, que envolvi na cebola e deixei alourar um pouco, acrescentando 2 colheres de caril e os 2 grãos de piripiri que cortei com a tesoura.

Deixei tomar cor, o que não carece de muito tempo, adicionando depois a chávena de caldo de galinha.

Deixei cozinhar por 20 minutos, aproveitando para preparar o arroz brasmati.

Para a preparação do arroz, fervi duas chávenas de água. Quando levantou fervura, adicionei uma chávena de arroz e temperei com sal, mexendo com um garfo. Deixei cozinhar por 12 minutos com o lume no mínimo. Não mexi o arroz durante a cozedura para não empapar.


Da primeira vez que preparei este arroz, segui a sugestão que vi no SaborIntenso, onde sugeriam para passar o arroz por água para que ficasse mais solto. Estava de facto solto, mas comemos o arroz frio. Por isso, da segunda vez não arrisquei e limitei-me a usar um garfo para passar o arroz para o prato de servir.


Passados os 20 min da cozedura do frango, juntei as natas e as restantes colheres de sobremesa de caril.



Adorei! Mais um prato que figurará na lista de preferidos.




Bon appétit!

quarta-feira, 9 de março de 2011

Congelar sumo de lima


Neste fim-de-semana prolongado aproveitámos para pôr em dia uma quantidade de tarefas à muito listadas.

Entre arrumações e limpezas, ainda tivemos tempo para pequenas tarefas prevenindo o desperdício. Comprei três limas à uma semana. Não tendo utilizado, até porque é quando precisamos que não temos, optei por seguir a sugestão da Nigella, reduzindo as limas a sumo e congelando para utilização futura!

O sumo das limas foi congelado separadamente.

Confesso que com esta medida senti um certo conforto!



Truques e dicas, também por aqui!

Preparar pão


Não tem grande ciência, mas tal como melhorei a receita por explorar outros blogues, deixo o meu modo de preparação para que outros possam ler, sugerir, ou melhorar.

Apesar de a máquina do pão ser útil, nós não temos. Se não referi, volto a referir, se tivesse: 1 micro-ondas, 1 máquina de fazer pão, 1 bimby; e outro qualquer equipamento de utilidade diária mas que só falta falar, teria de comprar móveis extra.

Nada melhor que, depois de um dia de trabalho, espancar a massa do pão!

A receita que utilizo é a que vem na embalagem: para 1 pão de forma = 500 gr de farinha. Costumo usar a de sementes ou a de soja.

Agora, aprendi que se misturar metade da quantidade de farinha de trigo T65, no pasa nada. Então, a minha receita: 250 gr de farinha para pão + 250 gr de farinha trigo, 2 colheres de sopa de óleo vegetal e 300 ml de água, rectificando o sabor com uma pitada de sal.

Na preparação, não inventei nada: misturo os ingredientes até a massa estar homogénea e descolar da tigela. Tapo e deixo repousar para levedar. Passadas 2 horas, trabalho a massa e coloco dentro da forma tipo bolo inglês. Deixo mais 2 horas, ou até ser hora de levar ao forno.

Já experimentei adicionar pitada de fermento de padeiro, mas não percebi qualquer diferença.

Em questões de poupança no consumo de energia, costumo colocar o pão no forno à meia-noite, já que das 00h00 às 07h00 a energia é mais barata. E, aproveito para preparar logo dois pães!

Depois de arrefecer, corto em fatias e separo por sacos de congelação. Normalmente 2 pães dão para 1 semana.


Aceito as vossas sugestões!



Bon appétit!

Terrina quente de chocolate



Entre preparar o almoço e fazer a salada, saiu este doce que é para comer quentinho! Decidi repetir o caril de frango, porque não tinha tempo para investigar outras receitas, porque o caril estava uma delícia e porque já sabia os passos da preparação o que me permitia uma margem de segurança para preparar a sobremesa.


Ingredientes:
150 gr de chocolate de culinária
150 gr de manteiga
100 gr de açúcar
35 gr de farinha
5 ovos
4 colheres de café de gengibre em pó
1 colher de café de sal grosso

Só tinha 88 gr de chocolate, portanto, reduzi as quantidades dos ingredientes, o que deu exactamente para 3 potinhos.

Preparação:
Parti o chocolate que derreti em banho-maria. Entretanto, bati os ovos com o açúcar, a farinha, o sal e o gengibre até obter uma massa homogénea à qual juntei o chocolate fundido. Reparti o preparado pelas terrinhas untadas com manteiga.

Vão a cozer no forno a 240ºC por 10 min.



Excelente para nos aquecer numa tarde de domingo!




Bon appétit!

Sugestão para decoração de mesa

Ao folhear uma revista de decoração, deparei-me com uma sugestão muito interessante, e que implicava a utilização de recursos que temos sempre à disposição.

Como o irmão do S. vinha almoçar connosco, decidi dar um toque na decoração da mesa por apenas 1,01€: 0,69€ dos guardanapos e 0,32€ da vela.


A foto implicava uma garrafa com uma letra bordada em linho, perfazendo: "Bom apetite". Ou seja, um total de 10 garrafas. O que me pareceu um exagero, por isso, reduzi a 1 garrafa.

Mas, como sabemos que estas coisas passam ao lado, já que, até a colher da sobremesa passou ao lado! Deixo foto para que as senhoras que visitam o meu cantinho possam ver, aproveitar e até melhorar este improviso!


O que não passou ao lado foi a sobremesa: Terrinas de chocolate!




Truques e dicas, também por aqui!

Congelar frutos silvestres

Depois de preparar a pavlova, surgiu uma questão: "O que fazer com o que sobrou de framboesas?". Foi quando me lembrei de uma sugestão de um dos livros de receitas que passeiam pela casa: congelar.

Escolhi um recipiente grande para que as framboesas não ficassem sobrepostas, correndo o risco de congelar coladas.




Depois de congeladas, transferi para um pequeno recipiente.




Quando precisar, é só retirar do congelador umas horas antes de utilizar.





Truques e dicas, também por aqui!

segunda-feira, 7 de março de 2011

Pavlova de chocolate

(Nigella's version)




8


Na passada sexta a T. e a M. jantaram connosco e o tema do jantar foi comida indiana. Bem picante e saborosa. Até fizemos pão.


A ementa foi: pão chapatis, frango de caril acompanhado de arroz brasmati. Já a sobremesa nada tinha a ver com o tema, mas ajudou a quebrar tanto picante, e é por ela que vou começar.


Tinha congeladas 5 claras. Mas deixo a receita para 6 claras.


Ingredientes:
-Para a base:
6 claras
300 gr de açúcar
Algumas gotas de vinagre
1 colher de sopa de extracto de baunilha
3 colheres de sopa de cacau
50 gr de chocolate partido em pedaços

-Para o topping:
200 gr de natas
3 colheres de sopa de açúcar
Framboesas q.b.
Chocolate ralado q.b.

As claras foram batidas até parecerem acetinadas e reluzentes. O açúcar foi adicionado aos poucos por forma a serem totalmente absorvidos pela espuma das claras. Depois deitei algumas gotas de vinagre, acrescentando o cacau e por último o chocolate partido (lasquei com uma faca bem afiada, tarefa fácil).


O forno foi pré-aquecido a 180ºC. Num tabuleiro de ir ao forno, comecei por colocar um pouco da mistura em cada ponta, colocando depois uma folha de papel vegetal que cobriu todo o fundo e que colocou à porção que coloquei directamente no tabuleiro. Deitei o preparado da pavlova no tabuleiro formando um montinho no centro, não muito alto.


Ao colocar o tabuleiro no forno, reduzi a temperatura para 150ºC e deixei cozinhar por 1h15min. Quanto terminou o tempo, desliguei o forno e abri ligeiramente a porta.


Entretanto, jantámos, bebemos e conversámos até ao momento de preparar o topping da pavlova. As natas foram batidas com apenas 3 colheres de sopa de açúcar. Para um topping perfeito, mas exagerado, o ideal seriam 300 gr de natas e umas 6 colheres de sopa de açúcar.


Depois de conseguirmos alguma consistência, deitámos sobre a pavlova, e decorámos com as framboesas e com chocolate ralado.




Estava uma delícia. E foi uma sobremesa aprovadíssima, apesar de mesmo assim, a T. ter dito que "aquele bolo de chocolate é que era (CGC)!". Mas, em duas semanas, preparei-o duas vezes. À que variar!


Eu e o S. devorámos o que restou da sobremesa em 2 dias! Alguém que me conforte por dizer que não foram ingeridas assim tantas calorias...




Bon appétit!

domingo, 6 de março de 2011

Óleo sempre à mão!

Num momento de intensa criatividade, eis um obstáculo: onde arrumar o garrafão de 5 litros de azeite, gentilmente cedido pelos pais que se fornecem na terrinha? e, onde arrumar a garrafa do óleo que não cabe na despensa improvisada?

Nada que não se resolva, quanto ao azeite, temos uma garrafa de um litro que comprei na Loja do Gato Preto e que faz companhia à do vinagre. Mas, como resolver a questão do óleo já que não fica nada bem a garrafa de plástico em cima da bancada, e também não é muito prático ir sempre buscá-lo em cima do armário da cozinha?

Foi quando me lembrei que tinha colocado para reciclar a garrafa do vinagre! Et voilá!

Óleo



Isto prova que temos muitos recursos à nossa disposição! É só explorá-los!
Aqui fica o resultado, do vinagre aromatizado, do óleo engarrafadinho e da respectiva etiqueta!

Vinagre aromático ao estilo gourmet

Quando vou às compras, gosto de ir com calma para espreitar todas as prateleiras. Bem, quase todas! Desta vez, visitei o espaço gourmet do hiper aqui da zona. Entre pétalas de rosa, e fios de açafrão, lá encontrei um frasco de vinagre de sidra aromatizado com louro e grãos de pimenta. Artigo na ordem dos 7,00€!

O que tem de especial? Pois, não sei, mas curiosa como sou, não podia deixar passar. A minha receita? 1/2 garrafa de vinagre de sidra normal, 1 folha de louro pequenininha e 1 colher de sopa de grãos de pimenta.




Depois comento o resultado!

Nova despensa!

Apesar de ter algumas receitas por comentar, antes de avançar quero partilhar uma pequena arrumação há muito reclamada.

Estávamos a usar o espaço de arrumos gerais, também como despensa. Claro que estava a exigir uma alternativa. Sem grandes recursos financeiros, porque a crise aperta e a poupança é obrigatória, deitámos mãos à obra.


Antes

Já estava decidido que um dos armários de cozinha onde habitavam os tupperwares, um tanto ou quanto espalhados, seria solução para os comestíveis. Quanto aos legumes como a batata, a cebola e o alho, e ainda a fruta que ocupava um espaço precioso na mini bancada, a solução até foi relativamente barata: um carro que custou quase 10 euros. O que me fez lembrar que quando eles apareceram, a mãe tinha um em cada canto da casa!



Cestinho




Depois

Os frascos e frasquinhos que tinha arrumados, revelaram-se extremamente úteis. Apesar de visualmente perceber o seu conteúdo, achámos que uma etiqueta plastificada seria interessante. Utilizando uma caneta permanente, na eventualidade de o conteúdo ser outro, é só apagar com um pouco de alcóol e escrever a nova utilidade! O que também ajuda a complementar a decoração da cozinha, e evitamos o trabalho de retirar a etiqueta e a cola o que por vezes é uma chatice.

Etiqueta





Estas são as dicas do momento!

Pizza de banana e ananás




2



Outra versão de pizza. Igualmente saborosa!

- Preparação da massa, ver aqui.

- Ingredientes e disposição:
Além das duas colheres de molho de tomate, 1 colher de café de ervas de provence, adicionei uma pitada de piri-piri. Depois a cebola finamente cortada em meia-lua. Uma mão bem cheia de queijo ralado. Acrescentei cogumelos brancos laminados, anánas e banana.

Para evitar que a banana escurecesse, algumas gotas de limão seriam a solução.

Foi ao forno a 200ºC por 25 min.



Bon appétit!

Pizza com bacon e ovo





2


Satisfazendo o desejo de pizza, e lembrando a sugestão de um dos blogues que acompanho, fiz uma pizza com ovo!

A experiência revelou-se interessante.

Ingredientes:
- Preparação da massa, ver sugestão.
- Ingredientes e disposição do recheio:
2 colheres de sopa de molho de tomate, polvilhei depois com 1 colher de café de ervas de provence. Uma mão cheia de queijo ralado. Cortei finamente 1/4 de cebola em meia-lua. Depois coloquei 4 fatias de bacon, cobrindo toda a base da massa. Por último, cogumelos brancos frescos laminados. Levei ao forno por 10 min a 200ºC. Depois acrecentei cuidadosamente dois ovos, deixando cozinhar por 20 min. O ovo parece estrelado? Pois, acontece que a gema cozeu.

Uma combinação espectacular que contamos repetir, e que tinha de partilhar convosco!



Bon appétit!

Frango estufado com limão


(In Comer bem, viver bem)


3


Tenho a sensação de que as receitas de frango começam a abundar. Quase defendo a ideia de que também existem 1001 maneiras de o cozinhar!

Ingredientes:
1/2 frango
Farinha q.b.
Óleo q.b.
2 dentes de alho picados
1 cebola picada
3/4 chávena de caldo de galinha
1/4 chávena de água
1 colher de chá de raspa de limão
1/3 chávena de sumo de limão
1 colher de café de sal
1 colher de maisena desfeita em 1 colher de sopa de água
1/4 de chávena de coentros picados

Preparação:
Usei 1/2 frango que cortei em 4 pedaços: 1 peito cortado em 2, 1 coxa e 1 perna. Retirei a pele e passei pela farinha, sacudindo o excesso.

Antes de colocar o óleo na frigideira antiaderente onde iria fritar o frango, piquei a cebola e o alho, já vão perceber porquê.

Com o óleo bem quente, adicionei o frango até estar dourado dos dois lados. Depois transferi-o para um prato.

Adicionei ao óleo a cebola e o alho, por isso, para evitar eventuais stresses, piquei estes dois ingredientes antes de começar a cozinhar o frango.

Quando a cebola começou a ficar branda, juntei o caldo, 1/2 chávena de água, a raspa e o sumo de limão, o sal e deixei levantar fervura. (Entretanto, transferi para um tacho, se tiverem um tacho antiaderente podem, e devem, usá-lo desde o início).

Voltei a colocar o frango, cozinhando em lume brando por 20 min.

Para não variar, li a receita na diagonal e, em vez de retirar o frango e deixar levantar fervura acrescentando a maizena diluída, esta foi adicionada com o frango dentro do tacho...

Quando adicionar a maizena, mexa até engrossar, durante 1 min.

Polvilhei com os coentros picados.


Apesar do erro cometido, o limão deu a este prato um sabor a primavera!



Bon appétit!

quinta-feira, 3 de março de 2011

Caldo-verde à minhota

(In Activa 1,2,3 Sopas)


4


Além do desejo de comer sopinha, esta receita lembra-me o mês de Agosto de um ano bem longínquo, talvez 2000, em que o meu pai decidiu deixar a minha mãe na casa de férias para recuperar energias. Claro que eu e as minhas irmãs ficámos responsáveis pela gestão da casa, o que implicou cozinhar. Decidida a provar que nos meus 21 anos era uma verdadeira chef, comprei uma couvette de couve laminada para preparar um caldo-verde. A receita não era complicada, a parte que eu compliquei foi quando achei que 1/3 da couvette era pouco, porque a couve minga, e deitei metade da couve. Como resultado, comemos uma sopa verde escura!


Resolvida a não repetir a proesa, segui a receita à risca, mas optei por reduzir a metade porque era só para dois.


Ingredientes para um verdadeiro caldo-verde:
300 gr de batatas
0,75 dl de azeite
1/2 cebola
1 dente de alho
1 lt de água
sal q.b.
100 gr de couve-coração (a receita sugere couve galega)
4 rodelas de salpicão ou chouriço


Preparação:
Levei a cozer a batata, a cebola e o alho em água previamente fervida temperada com o azeite e o sal. Deixei cozinhar por 15 minutos.

Entretanto, lavei e cortei a couve em juliana fina.

Triturei os legumes cozidos que voltei a levar ao lume, deixando levantar fervura e adicionando a couve laminada. Deixei cozer por mais 10 minutos com o tacho destapado.

No momento de servir acrescentei as rodelas de chouriço.

Apesar se ter reduzido todos os ingredientes para metade, acho que se tivesse mais água tinha ficado mais parecido com o da foto. Ou talvez o problema fosse da batata.


Nós gostámos. E eu ainda me ri ao lembrar-me da minha primeira experiência.
Sobrou para mais duas doses!



Bon appétit!

quarta-feira, 2 de março de 2011

Empadão à pastor


(In Comer bem, viver bem)


2



Com a minha dedicação na cozinha, e interesse em experimentar novas técnicas e sabores, passo algum tempo a ler os livros de culinária que habitam em todos os cantos da casa. Pareço uma criança que sente a necessidade de espalhar os brinquedos. Comportamento que percebo, pois nunca sabemos se, de repente, o livro ou brinquedo ao lado do sofá, ou aquele(s) na secretária, ou o outro no cesto da roupa, serão de utilidade.

Distraidamente peguei no livro que folheei até à página da receita de Empadão à pastor. E eu que adoro puré! Pronto, estava decidido o jantar de domingo.

Ingredientes para o puré:
4 batatas gigantes
1 dente de alho
1 folha de louro
sal q.b.
água q.b.
leite q.b.
noz-moscada q.b.
pimenta q.b.

Preparação do puré:
A cozedura das batatas não implica uma grande ciência, foram cortadas aos cubos e colocadas na água fervida com o alho e uma folha de louro muito pequenina. Passados 10-15 min, escorri a água e deixei arrefecer, acrescentado o leite, um pouco de pimenta e noz-moscada e retificando de sal. Reduzi com a varinha mágica. Sugiro que o leite seja adicionado a olho e a pouco e pouco, até conseguirmos a consistência desejada.

Ingredientes para a carne:
2 colheres de chá de óleo vegetal
1 cebola finamente picada
1 colher de chá de pimentão doce
1 pitada de cominhos
1 colher de café de pimenta
300 gr de carne picada
3 colheres de sopa de polpa tomate

Preparação:
Comecei por aquecer o óleo, onde refoguei a cebola. Devia juntar 2 cenouras em rodelas finas, que não figuraram porque esqueci-me de comprar. Santando essa parte, adicionei o pimentão, a pitada de cominhos e a pimenta que deixei saltear por aproximadamente 1 min. Acrescentei a carne e depois o concentrado de tomate, rectificando de sal. Utilizei uma pitada de açúcar para quebrar um pouco a acidez do tomate. Deixei cozinhar até a carne ganhar um pouco de cor. Acrescentei orgãos picados.


Composição final do Empadão à pastor:
Num pirex de ir ao forno deitei o preparado da carne que cobri com o empadão. Polvilhei com pão ralado. Ficou no forno por 30 min.




Bon appétit!

terça-feira, 1 de março de 2011

Chalotas com castanhas


(In Manual Prático de Cozinha Vegetariana)




2

Definitivamente, uma receita a repetir. A combinação da chalota com a castanha, é uma delícia! Quis aproveitar o resto das castanhas do peru com caju (sugestão), e como tinha comprado chalotas que continuavam por utilizar, não hesitei!

Ingredientes:
8 chalotas
100-150 gr de castanhas
50 gr de manteiga
2 colheres de sopa de vinho branco ou tinto
150 ml de caldo de legumes
pimenta q.b.
salsa picada para guarnecer

Preparação:
Comecei por derreter a manteiga numa frigideira. Entretanto, aproveitei para ferver a água para cozer as castanhas.

Descasquei as chalotas que juntei à manteiga derretida, deixando cozinhar por 10 minutos, até ficarem ligeiramente douradas.

Juntei o vinho e deixei borbulhar durante 4-5 minutos. Depois, adicionei o caldo de legumes e temperei com um pouco de pimenta, deixando cozinhar por mais 5 min.

Retirei as chalotas às quais juntei as castanhas, reguei com o molho que filtrei com o passador, e polvilhei com a salsa picada.

A receita original sugere que se adicione 1 colher de sopa de açúcar antes do vinho deixando caramelizar; 1 folha de louro depois de juntar o caldo, que excluí porque o S. não gosta do sabor que o louro confere à comida; e 1 pitada de sal que não adicionei porque gosto de evitar a utilização deste tempero.

Sabem que se digo que estava bom era porque estava, caso contrário, teríamos mais um post a comentar os meus dasatinos na arte de bem cozinhar. Acho que sou mais pratos vegetarianos que bolos!




Bon appétit!

Pão bem recheado


Dietas? Quantas já ouvimos, com prometidas fórmulas milagrosas de seguir à risca? Algo têm em comum, um truque que faz o nome da dieta! A minha mãe fez uma, que fossem as horas que fossem, estava autorizada a ir ao frigorífico e comer carne grelhada, que a nutricionista aconselhava que tivesse sempre disponível. Acordava às 02:00 com fome? Não pode comer um iogurte, mas pode comer carne. O último grito é a dieta em que passam 6 dias a comer sopinhas, cozidos e grelhados para ter um dia da semana onde podemos comer este mundo e o outro sem remorsos! Esse dia é o sheet day.

Aqui fica uma sugestão para os seguidores desta dieta, mas que fiz a pensar num Pub em Cascais onde este prato tem um sabor especial.

Ingredientes:
1 fatia de pão tradicional
1 dente de alho
1 fio de azeite
2 fatias de bacon
2 fatias de paio
2 salsichas
1 ovo estrelado

Preparação:
Barrei metade do dente de alho no pão que depois reguei com um fio de azeite e coloquei sobre uma frigideira antiaderente bem quente.

As salsichas cortadas ao comprido e o bacon foram grelhadas na frigideira. E o ovo estrelado em óleo.

Depois foi compor: a fatia de pão, depois o bacon, o paio, as salsichas e o ovo.

Eis um prato bem guloso. Mas se preferirem, para evitar o peso na consciência, podem limitar-se às salsichas e ao ovo sobre o pão.




Bon appétit!