quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Carapau pilim e arroz de tomate



A dias de ir de férias, e a dias de entrar na casa dos 33, não sei se como expressar o que sinto. Em relação às férias, são muito merecidas. Nunca falto ao trabalho. Mesmo quando tenho de fazer exames ou ir a consultas, prefiro pedir dias de férias. Assim, evito problemas com a chefia, e faço o que tiver de fazer sem pressas. Sim, porque numa das idas ao Porto, em que o guichet estava cheio de utentes, vim embora sem pedir um comprovativo de que havia estado no hospital. Atrevimento a que me dei ao luxo, já que a chefia disse que eu estava no meu direito de tirar um dia, de vez a vez, já que fazia muitas horas extras que não eram remuneradas. Esqueçam lá isso. Caí na asneira de aceitar uma coisa que sempre foi contra os meus princípios, e que se revelou a pior decisão de 2011. Como eu não pedi o comprovativo, e ainda ferida do resultado da consulta, depois de a chefia ter observado que precisava do papel, eu respondi "Não vou e volto do Porto em 2 horas". Ui! Que mal que caiu... É verdade que fui mal educada. Mas, acreditem se vos digo que estava sem paciência. Durante o ano, ainda "gozei" mais dois ou três dias de "folga". Mas, quando pedi para sair para almoço 1,5 horas mais cedo, que recuperaria durante a semana (talvez até a duplicar), respondeu que não aceitava e lembrou todas as vezes que eu pedi para ter descanso, acrescentando ainda que foi benevolente em aceitar que eu tivesse adotado o Zeca! Por Dios! Por isso, decidi, não voltar a fazer horas extras, e, em dias de consulta, peço dias de férias. Trabalhar com a mesma dedicação? Um dia, quando tiver um negócio meu. Se estou magoada? Sim, muito. É daquelas coisas que perdoamos, mas não esquecemos.



Falemos de coisas mais alegres. Lembram-se de eu ter comentado a história dos tais jaquinzinhos, que o S. disse estar proibida a sua venda? E de entretanto, uns senhores agentes terem retirado aos pescadores não sei quanta quantidade deste peixinho? Pois bem, no outro dia, fui comprar peixinho, e, o dono do negócio tinha Carapau Pilim, para mim, é a mesma coisa que o tal do jaquinzinho. Perguntei se a pesca do peixinho não estava proibida, ele respondeu que não, caso contrário não estaria a vender, principalmente, quando a ASAE anda aí.

Isto para dizer que, foi o jantar de ontem!

Acompanhámos com arroz de tomate com oregãos.

Afinal, é proibido, não é?, trata-se da mesma espécie, ou não?

4 comentários:

  1. As chefias são assim mesmo dependem para onde estão viradas :(

    ResponderEliminar
  2. Isto para mim é um manjar dos Deuses, adoro.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. EM QUESTÔES DE TRABALHO TENHO BONS PATROES.
    GOSTEI DESSA COMIDINHA,TÃO BOA, MAS Á MUITO QUE NÃO COMO.

    SOBRE OS AROS DE ACETATO, É MUITO FÁCIL,COMPRAS FOLHAS DE ACETATO CORTAS AO MEIO E DEPOIS DOBRAS PARA FAZER UM ARO AO TAMANHO QUE QUERES, E DEPOIS É SÓ COLAR COM FITA COLA,COLOCAR NUM PRATO E FAZER A SOBREMESA. AO DESENFORMAR DESCOLAR A FITA COLA DESENROLAS E JÁ ESTA.
    LAVAS E FOLHAS E PODE USAR SEMPRE.
    BJS

    ResponderEliminar
  4. Muita força no trabalho, boas férias e que óptima comida.
    também já ouvi esses rumores. Bjs

    ResponderEliminar

Obrigada pela tua participação!