sexta-feira, 20 de abril de 2012

Sem penalização

Lembram-se do meu stress em entregar a declaração periódica do IVA? E lembram-se do meu stress quando recebi uma carta a informar que estava pendente de entrega? Pois é. Recebi uma multa, fui às finanças reclamar e, depois de falar com 3 pessoas diferentes e ter insistido em apresentar a minha reclamação, uma senhora funcionária que teve a lata de perguntar: "Mas, quer reclamar do quê?", claro que respondi: "Reclamar do stress em que o facto de não terem perfil para activar a senha, me deixou.", ao que a senhora sugere que eu envie uma carta registada dentro do prazo que as finanças me davam para liquidar os 200 euros de multa. Assim fiz, escrevi uma carta, defendendo que entendia não ter de ser penalizada quando de tudo fiz para entregar a declaração. Enviei cópia da reclamação apresentada na Sertã e da senha provisória entregue em Condeixa.
Ontem, recebi a resposta. Não tinha réstia de esperança de que me absolvessem. Demorei alguns minutos a ler a carta e, incrédula, pude constatar que me deram razão. Entenderam que eu tive interesse em cumprir com o meu dever. Que não tenho nada pendente nas finanças. Que nem sequer tenho valor a pagar ao Estado, uma vez que trabalho para uma empresa na comunidade europeia, mas por ultrapassar o valor mínimo anual, sou obrigada a preencher uma declaração de uma coisa que não recebo, nem pago.
Nem imaginam o alívio. Já estava a fazer contas à vida e a pensar que pelo terceiro mês consecutivo teria de contar moedas. É que 200 euros fazem imensa diferença.
Sugestão: Sempre, mas sempre, que tenham um problema, certifiquem-se de que têm convosco um qualquer comprovativo. Escrevam ao diretores dos serviços em questão, e não o façam de forma agressiva, mas sim assertiva. Expliquem os vossos motivos. Façam-no por carta registada com aviso de receção, isso prova que vocês são responsáveis e têm interesse em que tudo se resolva da melhor maneira. Com estas medidas já ajudei o meu pai a resolver uma situação com a Meo, cujo serviço rescindiu e depois foram emitidas faturas. E o meu irmão, quando o contabilista não entregou o IRS de um ano. Tudo apresentado por escrito, como quem diz: "Ou colaboras, ou tenho provas de que nada fizeste, quando eu demonstrei interesse."
Portanto, nem todos os funcionários públicos são má rés. Só mesmo a senhora da Sertã que não levantou o c* da cadeira, ou a das finanças da minha zona que além de parecer que tinha um dedo no c*, parecia um papagaio a dizer: "Tem 45 dias para apresentar a declaração".
E pronto, desabafei.

1 comentário:

  1. ola,
    Parece-me que trabalhamos na mesma area, Contabilidade, fiscalidade .... resumindo stress!
    Sou da mesma opiniao que tu (permite-me a ousadia do "tu"), tenho uma opiniao muito positiva em relaçao ao serviço prestado pelas finanças. O mesmo não posso dizer da segurança social... é pessimo!!! Já não basta o n/ trabalho que é desgastante, ainda temos de "levar" com funcionalismo publico de má qualidade!
    Bom trabalho!
    Bjs

    ResponderEliminar

Obrigada pela tua participação!