quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Bacalhau à braz

E quem foi que este fim de semana andou com o complicómetro no máximo? Eu, pois claro! Até a mim me irritava. Fiz montes de coisas e fiz coisa nenhuma. Dá para perceber? Acho que sim. Coisas de mulheres. Depois, quero ficar a dormir até um bocadinho mais tarde, mas o marido não deixa. Acende a luz. Apaga a luz. Pergunta pelos calções do futebol. Abre gaveta. Fecha gaveta. Que neura. Enquanto ele dorme de tarde, eu ando nas minhas andanças. E depois, diz que eu faço muito barulho!

Ultimamente tenho usado imenso a minha Maria (a minha Bimby). Na sexta estufei coelho. e aproveitei para cozer a vapor os bróculos que comprei no Pingo Doce em promoção. No sábado,fiz sopa com base de feijão e sem batata, com couve coração, cenoura, courgette e cebola, provei e pareceu muito bom! Ainda no sábado, com quatro laranjas tamanho pequeno,1 limão e 1 maçã, fiz sumo. Para o lanche preparei novamente a receita dos muffins com doce de tomate. Portanto, a moça trabalhou e trabalhou bem! Descansou no domingo e na segunda preparou o frango estufado que ficou uma maravilha! Ah, ainda fiz sopa de alface, para aproveitar as folhas que andei a tirar da horta. 

Esta receita fez as delícias do marido, que disse parecer o que a mãe fazia. Fiquei bastante contente, pois igualar a comida preparada pela mãe é tarefa difícil.

(Livro base da bimby, página 84)

Ingredientes para 6 pessoas: - 100 gr de azeite; - 400 gr de cebola; - 2 dentes de alho; - 300 gr de bacalhau (usei 200 gr); - 200 gr de batata palha (usei 700 gr de batata descascada e cortada no descascador); - 6 ovos; - sal e pimenta q.b.; - salsa picada; - 100 gr de azeitona (não tinha, por isso, não usei). (Reduzi a receita para metade).

Modo de preparação: 
1/ Coloque no copo o azeite, a cebola, os alhos e programe 5 seg/Vel 5. Refogue 5 min/ Varoma/Vel 1.
2/ Adicione o bacalhau e programe mais 5 min/100º/Colher inversa/Velocidade colher.
3/ Junte a batata e programe 3 min/100ºC/Colher inversa/Vel 2.
4/ Coloque numa frigideira e leve ao lume.
5/ Sem lavar o copo, deite os ovos e bata durante 10 seg/Vel 2.
6/ Deite o preparado por cima do bacalhau, misture tudo muito bem, junte a pimenta, a salsa e rectifique o sal. (Eu, acrescentei leite a olho!)
7/ Enfeite com azeitonas.

Espero que gostem! Foi a primeira vez que preparei bacalhau à braz! 

E preparar canja com ovo escalfado? 


Até à próxima receita!

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Sardinhas em crosta de pimentas

Há sensivelmente duas semanas, fui ao hiper aqui da zona e vi que tinham sardinhas à venda. Coincidência ou não, ao folhear um dos meus livros de receitas encontrei esta receita. Sei que as sardinhas são congeladas, mas apeteceu-me sentir um cheirinho de verão, por isso, no último fim de semana comprei 0,5 kg!



Ingredientes: - 0,5 kg de sardinhas; - 1 c. de chá de mistura de grãos de pimenta; - 1 ramo pequeno de aneto fresco (não usei); - 1 dente de alho; - 1 limão; - sal; - 3 c. de sopa de azeite; - 8 pés pequenos de alecrim fresco.

Modo de preparação: 
1/ Ligue o grelhador no máximo. Lave as sardinhas, retire as escamas com os dedos e amanhe. Seque com papel de cozinha. 
2/ Esmague os grãos de pimenta num almofariz e deite numa tigela pequena.
3/ Lave, seque e pique o aneto, descasque e esmague o alho e junte à pimenta. Lave os limões, raspe finamente a casca de um limão e deite na tigela. Junte um pouco de sal e o azeite e misture bem.
4/ Lave o alecrim. Dentro de cada sardinha ponha um pé de alecrim e por cima espalhe parte do preparado de pimenta. Volte as sardinhas e cubra-as do outro lado, guardando o preparado de pimenta que sobrar. Deixe as sardinhas a tomar gosto por 5-10 min.
5/ Introduza um espeto em cada sardinha e leve ao grelhador durante 2-3 minutos de cada lado.
6/ Retire os espetos, distribua pelos pratos e, em cima, deite o que sobrou do preparado de pimenta. Sirva de imediato.

Acompanhámos com Dahl, pode ver a receita aqui.

Nota: A sardinha é rica em proteínas, cálcio (das suas espinhas) e ácidos gordos ômega-3.

A próxima receita é ... bem gulosa!

Bom apetite!

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Oh! La La!

Et voilá! Eu avisei que este ano, e na medida do possível, não quero saber de tanta austeridade.



Para a semana vou fazer o meu baptismo de voo. Tão tarde? Nunca é tarde. O que percebi, é que já poderia andar pelos ares à muito mais tempo!







Paris foi a cidade escolhida. Tinha esta pancada. Tinha de ir VER a Torre Eiffel! Assim como já decidi que ainda este ano QUERO ver o Big Ben. Já nos auto-declarámos como os "Turistas de Época Baixa"!


Quanto ao curso gratuito de francês, acabei por desistir. Não me esforcei muito, é verdade, mas achei que aquilo estava pouco organizado. Espero que o inglês, o castelhano e o português nos safem! (Acredito que vou encontrar portugueses! Afinal, estamos por todo o lado!) Também não me preocupo muito, pois o marido tem bons conhecimentos de francês! Eu, fico-me pela "baguette", "croissant" e pelo "caffé"!

No regresso, deixo as minhas fotos amadoras. Mas estes, são alguns dos sítios que quero visitar! Estou em pulgas! Esta é a minha prenda de aniversário. Voy a celebrarlo por todo lo alto!

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

A Mel já tem casa!

Hoje, último dia para a Mel ficar lá em casa, a minha irmã foi com ela ao canil. No canil, indicaram-lhe algumas instituições, uma delas até relativamente perto daqui. Quando ela foi ao mercado para pedir mais informações quanto à morada, estava lá uma senhora a perguntar se alguém sabia de algum animal de porte pequeno que estivesse para adopção. Isto porque o mercado é um dos sítios onde se costumam deixar este tipo de anúncios. A minha irmã respondeu de imediato à senhora, informando que tinha uma cadelinha no carro, que estava prestes a entregar numa instituição.

A senhora engraçou com a Mel e levou-a para casa. Apesar de ter ficado triste por a bichana não ter ficado na família, fico muito contente por ter encontrado alguém que está mesmo a precisar da companhia de um quatro patas! Foi um final feliz! A minha irmã foi incansável, sem ela, a Mel teria tido um destino muito triste.

Obrigada à Maria e a todos os que prestaram atenção! Vêm? Todos juntos podemos fazer deste, um mundo bem melhor!

Preciso de um lar

Sou a Mel. Pequenina e muito simpática. Preciso de um lar. Podes ficar comigo?




A minha cunhada encontrou-a na rua. Ficou com ela, mas como tem os meus sobrinhos, e um horário complicado no trabalho, a coisa não correu muito bem. A Mel tem (se não estou em erro) um ano ou pouco mais do que isso. Foi tratada para que convivesse com os meus sobrinhos saudavelmente. É brincalhona e muito carente de atenção. Acho que nunca a ouvi ladrar! Neste momento, está na casa dos meus pais, mas o meu pai insiste em não a querer lá. O destino dela é o Canil de Paço de Arcos onde, segundo consta, os animais são abatidos. Passas a palavra? Temos de encontrar um dono responsável e que seguramente fique com ela.

Para mais informações, envia e-mail: aritadsilva@gmail.com

Obrigada!

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Empadas de galinha e relatos bimbólicos!

Esta manhã pensei em como é possível, ao fim de 3 semanas, já não me lembrar das resoluções para este novo ano. As palavras proibidas, continuam proibidas e não nos têm massacrado. Mas, existiam uma série de coisas que eu queria muito respeitar, por isso, faz todo o sentido perguntar a todos os amigos que por aqui passam: como estão as vossas resoluções?. Queria alterar a minha dieta. Queria começar o dia sem o leite com café, limitando o pequeno almoço a um chá com uma fatia de pão acompanhada de qualquer coisa parecida com light; mas, continuo com o leite com café e com duas (quando não três) fatias de pão torrado e barrado com manteiga. Queria comer doces apenas uma vez por semana, mas continuo a comer quase todos os dias (ontem não comi). Queria jantar apenas sopa, resolução que se tem verificado à hora de almoço. Tendo sopa feita, e estando sozinha, é mais fácil aquecer sopa do que preparar uma refeição, e assim, aproveito o tempo da hora do almoço para descansar. Queria terminar o dia de trabalho com a casa arrumada, falo daquelas pequenas coisas que vamos deixando espalhadas ou fora do sítio, aproveitando um break para arrumar a cozinha, até porque tenho direito a alguns minutos de descanso, como toda a gente, mas ontem, quase não levantei, nem para ir ao WC, até fiquei bastante preocupada quando percebi que durante todo o dia bebi apenas uma caneca de água. E isto, não pode ser assim. Tenho de me esforçar por pensar que se eu conseguir cumprir com as minhas resoluções, e sem necessidade de prejudicar o trabalho, consigo terminar as tarefas até à hora de saída e aproveitar o resto do dia para descansar, tratar do jantar e adiantar mais qualquer coisinha. Outra resolução era a de, durante a semana, ou pelo menos na quinta feira, conseguir limpar toda a casa, para que o fim de semana seja de absoluto descanso. Aqui então, tenho falhado redondamente. Enfim, melhores dias virão! :)

Uma coisa boa, é que tenho aproveitado bastante a ajuda da Bimby! Sábado preparei o pão e fiz um bolo de cenoura. No Domingo fiz iogurtes, caldo verde e estufei frango. Ontem, preparei bacalhau à braz, tema de um próximo post!

Esta receita foi retirada do livro "Cozinha Tradicional Portuguesa", da Maria de Lourdes Modesto, página 248.



Ingredientes:
- 1 galinha (usei frango); - 1 ramo de salsa; - 1 cebola; - 4 cravinhos (não usei); - 250 gr de toucinho; - 10 grãos de pimenta preta; - 1,5 dl de vinagre; - sal; - 4 gemas; - 1 limão; - noz-moscada; - 500 gr de massa folhada; - 2 gemas para pincelar.

Modo de preparação: 
1. Corta-se a galinha em pedaços, lava-se muito bem e coloca-se numa panela com a salsa atada em molho, a cebola com os cravinhos espetados, a pimenta em grão, o toucinho, o vinagre e o sal. Deita-se a água suficiente para tapar os ingredientes.
2. Tapa-se a panela e leva-se ao lume, deixando levantar fervura. Deixa-se cozer e apurar sem deixar reduzir muito o caldo. Quando a carne se separar dos ossos, escorre-se, retiram-se os ossos e corta-se a carne em bocadinhos. (Conte com cerca de 25-30 minutos para a cozedura)
3. Corta-se o toucinho em pedaços e põe-se numa tigela, juntamente com a carne. Passa-se o restante molho para um tacho, e, leva-se a apurar ao lume. Deixa-se arrefecer e juntam-se as gemas. Leva-se a engrossar em lume muito brando, mexendo sempre para que não talhe. Deita-se o molho sobre a carne que deve ficar completamente coberta. 
4. Tempera-se com sumo de limão e noz-moscada e rectificam-se os restantes temperos.
5. Estende-se a massa folhada e forram-se com ela as forminhas previamente untadas com banha.
6. Enchem-se com o recheio e tapam-se com uma rodela de massa, fazendo aderir aos bordos da massa das caixas com um pouco de água. Pincelam-se com gema de ovo e levam-se a cozer em forno quente (levei a 175ºC por 30 min).

As minhas empadas ficaram mais claras, pois não tinha ovo, tendo substituído por leite.

Não perca a próxima sugestão:



Sardinhas grelhadas com lentilhas

Bom apetite!

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Educar uma criança

Este é o "pequeno" pormenor que mais me preocupa. Este fim de semana, foi quase de terror. Tenho os olhos a arder, e o pensamento a dormir. Não foi nada fácil. E pergunto eu: "Porque raio é que os bebés quando nascem não vêm com o livro de instruções? E o botão do OFF?, alguém sabe onde fica?".

Não sou um poço de virtudes, e apesar de me considerar uma pessoa com muita paciência, este fim de semana, o meu sobrinho de 10 anos (e meio) que ficou connosco de sexta a domingo, deu cabo de mim. Conseguiu levar-me à loucura. Ao ponto de ter desatado num pranto junto da mana mais nova (igualmente tia). Aquilo não é hiperatividade. Aquilo é maldade. Muita maldade. Mas mesmo muita maldade. E eu fui rigorosa demais, bruta mesmo. E fiquei de rastos. Porque não gosto de ser assim com ninguém. Porque uma criança não merece. Mas, um menino de 10 anos a fazer coisas de um menino de 5 (ou menos), é de bradar aos céus. Ele pede (insiste) em fazer determinada coisa, eu, explico porque motivo ele não a pode realizar, mas ele, continua na dele. Quanto mais eu pedia para ele brincar sossegado (sem dar pontapés ao Zeca, ou desatar aos gritos com os bonecos, ou andar aos saltos e a fazer estrondo que mais parecia que o prédio ia cair), pior ele fazia. Quanto mais eu pedia para ele nos obedecer, pior ele fazia. E quando foi para fazer os trabalhos de casa? Oh meu deus! Desde quando 4+3+2 é = a 73? Não. Não. E Não. Fiquei com a minha cabeça feita num oito. Pior! Ir à casa de banho para fazer um chichi e deixar o chichi fora da sanita? A minha casa de banho, mais parecia uma WC pública. Para não mencionar outras coisas que endoidecem qualquer um. E eu, que estúpida, passei duas noites a acordar de hora a hora (sim, de hora a hora, não estou a exagerar nem um bocadinho) até às 05 da manhã e crente de que tudo correria pelo melhor, lá me entreguei ao sono, para acordar e o menino estar mijado. É, ou não de ficar maluca? Porque tem medo de se levantar para ir fazer chichi? Ficou o aviso. Não volta a dormir cá. Ainda bem que coloquei um plástico dos fatos na cama, senão o estrago seria bem maior.

Cheguei-lhe a roupa ao pêlo. Mas foi mesmo porque cheguei ao limite dos limites dos limites dos limites. Então, vai lavar os dentes, comigo ao lado, bochecha uma vez, e outra, para dentro do lavatório, e eu, espantada com o bom comportamento; digo espantada porque da última vez que esteve cá e se lembrou de ter essa infeliz ideia, levou um calduço; e, pensando que teria aprendido a lição, ainda o pensamento não acabou de passar, pumba, expele a água de tal forma, que só faltou ir buscar o papel para aproveitar para lavar o espelho e o lavatório. Ui! Explodi num acesso de raiva. Levou logo ali umas palmadas. Mas isto é comportamento de um miúdo de 10 anos quase 11? Ficou de castigo. Foi direitinho para a cama. Ainda falei com ele, dizendo que isso não se faz. Que o suposto era ele vir passar um fim de semana com os tios, para descansar dos stresses que tem vivido e que, no meu entendimento, não devem ser suportados por ele. Que era para estar a brincar, ver televisão, tomar refeições, estar connosco como uma família calma e sossegada. Mas não. Não dá. Borrou a pintura toda.

Ele não consegue estar com as pessoas, sem as irritar. É entender que tem de fazer as coisas porque tem. Nós explicamos, mas ele insiste que tem de fazer porque tem. Quanto mais pedimos, pior faz. E ri-se quando percebe que nos levou ao limite. Tive de falar de forma mais bruta uma e outra vez. Mas se não for assim?, é como? Não percebo. Não percebo. 

Portanto, se a minha mãe e o meu pai, a bem ou mal, tomaram conta de 5, os meus irmãos que se orientem e tomem conta dos deles.

Estou a ser egoísta? Então e eles? Quando se lembram de abusar? São o quê? Pessoas com uma vida muito ocupada? E que nem se atrevam a dizer: "E quando tiveres os teus? Quem julgas que os vai buscar à escola? Ou quem julgas que vai ficar com eles quando tu não puderes?" Que eu respondo: "Eles não serão com certeza! Afinal, nem dos deles sabem (para não dizer: querem) tomar conta, quanto mais dos dos outros." Lógico não é verdade?

E pronto, desabafei. Só espero que este dia passe assim, das 10h00 para as 18h30. 

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Muffins com doce de tomate

Esta noite dormi bem melhor. Deve ter sido por ter dormido com dois pares de meias! :)

Enquanto o marido lê um livro a cada dois dias (e não estou a exagerar), eu leio um a cada quatro meses. Depois de ter lido "Diz-me quem eu sou!" da escritora Julia Navarro, acabei de ler, esta semana, "O regresso" da Victoria Hislop, que escreveu a "A Ilha", um livro que recomendo. Enquanto "A Ilha" abordava o tema da peste na Grécia, "O Regresso" falava da guerra civil de Espanha, tema igualmente abordado no livro que li antes deste, ou seja, este último foi muito difícil de ler. Já estava farta de tanta patraña. E agora, comecei a ler "A Máfia no Futebol". Pesadinho, muito pesadinho. Começa logo por relatar um assassinato. Este promete. De acordo com o autor, no final do livro, é difícil aceitar o futebol como um desporto genuíno. Vou relatando os pormenores que me pareçam mais interessantes.

Dica para quem tenha dificuldade de concentração no momento de ler: Siga as palavras com o dedo. Além de ler mais depressa, concentra-se no que está a fazer! Comigo resulta! Gosto de ler cada palavra. Gosto de aprender novas palavras e, além disso, sou uma "caça erros"!

Deixo a receita dos improvisados muffins com doce de tomate (e que se revelou uma excelente maneira de usar os doces que tenho por consumir).



Ingredientes:
-200 gr de açúcar;
- casca de limão e de laranja;
- 2 ovos (receita original sugere 4);
- 200 gr de manteiga;
- 200 gr de farinha;
- 1 c. de chá de fermento para bolos;
- 1 pitada de sal;
- doce preferido;

Modo de preparação: Pré aqueça o forno a 180ºC. Coloque o açúcar no copo da bimby e pulverize 15 seg/Vel 9. Adicione as cascas dos citrinos e programe 15 seg/Vel 9. Coloque a borboleta, os ovos, a manteiga e programe 2 min/37º/Vel 4. A seguir programe 2 min/Vel 4. Retire a borboleta e incorpore a farinha, o fermento e o sal e programe 15 seg/Vel 3. Coloque as formas de papel nas de alumínio e deite o preparado, enchendo até metade. Coloque uma colher de sobremesa sobre cada um.

Próxima receita:

Empadas de frango


Bom apetite!

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Iogurtes

Tenho de partilhar que andava a dar em doida. Isto porque, talvez desde há uns três meses a esta parte, andava a dormir muito mal. Ora tinha a impressão de que passava a noite naquele sono que ao mais mínimo barulho, acordava; ora tinha a impressão de que as horas passavam e eu, por muito carneirinho que contasse, não pregava olho. Eu, que tenho tendência para ter olheiras, com estas noites mal dormidas, nem consigo categorizar o que tenho na cara. Se uso corrector, deixo de ter olheiras cinzentas para ter olheiras azuis! Mas, se não uso, é ouvir as pessoas: "Bem! Estás cá com umas olheiras!". É melhor continuar a tentar disfarçar. Entretanto, e para ver se consigo voltar ao estado natural que é o de dormir profundamente desde que me deito até acordar (ai que saudades!) estou a tomar um medicamento natural. Um relaxqualquercoisa (não me apetece levantar o rabo da cadeira). Isto para concluir que estas duas últimas noites correram melhorzinho. Fogo, ficar sem dormir é horrível. 

A Maria, que deixou um comentário muito bonito (sem querer tirar valor a todos os outros, pois adoro que comentem!) pediu para eu deixar a receita dos iogurtes. Claro que, como tudo na minha cozinha, e porque não nasci com talento nato para a coisa, as primeiras experiências não correram muito bem. 

Comecei por preparar iogurtes de soja (a experiência não correu bem, e acabei por desistir. Por enquanto!), depois, e num acesso de loucura, preparei com compota de morango, que foi um sucesso, mas como foram preparados com compota de compra, revelaram-se muito dispendiosos, mas pronto, foi numa de variar. Também já fiz com compota preparada em casa, mas o doce escolhido (de maçã, se não estou em erro) não foi aprovado pelo palato refinado do marido.


Sugestão tradicional:
Ingredientes
- 1 lt de leite;
- 1 iogurte natural;
- 3 colheres de sopa de açúcar;
- 3 colheres de sopa de leite em pó (estou a usar meio gordo);
- 1 colher de sobremesa de essência de baunilha.

Modo de preparação: Ferva o leite com a essência de baunilha e deixe arrefecer. Misture o iogurte, o leite em pó e o açúcar. Junte o preparado anterior ao leite. Misture bem. Deite o líquido nos copos esterilizados (passados por água fervida). Ligue a máquina e deixe a trabalhar por 10 a 12 horas (consoante os queira menos ou mais sólidos).

Sugestão Bimby:
Ingredientes:
- 1000 gr leite (equivale a 1 lt);
- 1 iogurte natural (usei um caseiro);
- 50 gr de leite em pó (mantive as 3 colheres);
- 3 colheres de sopa de açúcar (não é sugerido);
- 1 colher de sobremesa de aroma de baunilha (não é sugerido).

Modo de preparação: Com o copo bem limpo, coloque todos os ingredientes e programe: 4 min/50º/Vel 3. (Como me pareceu rápido demais, dupliquei o tempo). Terminado o tempo, siga o modo de preparação tradicional.

Pode substituir a essência de baunilha por um pedaço de casca de limão e um pau de canela, ou ainda, preparando o iogurte natural, colocar no fundo de cada copo 1 bolacha Maria partida em 4 pedaços.

Entre muitas outras sugestões, esta foi onde me inspirei.

Esta é a próxima receita:


Bom apetite!

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Bimby, creme de abóbora e um pouco de nós!

Depois de há cerca de duas semanas, termos "pintado" as paredes da casa com lixívia, esta semana, foi vez de  repetir a limpeza geral. De agora em diante, tentarei que volte a ser quinzenal, intervalando com a aspiração e lavagem do chão. Assim, a manutenção é muito mais fácil. Se na sexta limpei toda a casa, no sábado e no domingo, alternei entre lavar e estender roupa e ainda, preparar refeições.

Querem ver como ando pouco caseira? Sexta, jantámos na casa dos pais do S.; Sábado, de manhã fui ao IKEA e o jantar foi na casa da M. sendo que fomos conhecer a sua bebé que fez um mês e é uma menina fofa, fofa, fofa! :)

Coisa que não faltou mesmo, foram aventuras com a Bimby que, desta vez, correram muito bem, sem acidentes de percurso! Sábado preparei arroz doce (desta vez com leite!) e leite creme. Tudo aprovadíssimo.



No Domingo, começámos por preparar iogurtes. Depois foi a vez do molho de tomate (que temos usado em substituição da polpa de tomate, que deixámos de comprar) e por último, porque o tempo não deu para mais e porque eu estava muito cansada, preparei um creme de abóbora com nabiças.


À receita do molho de tomate, acrescentei salsa.

Ingredientes para o creme de abóbora:
- 300 gr de batata descascada;
- 200 gr de abóbora descascada e limpa de sementes;
- 1/4 cebola;
- 2 dentes de alho;
- 2 colheres de sopa de molho de tomate;
- sal q.b.;
- 1000 gr de água;
- azeite q.b. (coloquei apenas 1 colher de sopa, pois o molho já tem azeite);
- nabiças, lavadas e cortadas a gosto.

Modo de preparação: Coloque todos os ingredientes no copo, com excepção do azeite e das nabiças. Programe: 25 min/varoma/vel 1. Quando faltarem 10 min para terminar, coloque a varoma com as nabiças. Terminado o tempo, retifique o tempero e acrescente o azeite. Triture progressivamente, velocidades 3, 5 e 7.

No que toca a pequenas alterações, pois já que não consigo encontrar a casa que agrade aos dois, optei por "Viver mais a minha casa". Ao longo dos próximos tempos (e de acordo com as nossas possibilidades) serão alguns os melhoramentos. Este, foi bem simples e barato! O IKEA tem estes vasos à venda por apenas 0,99€/unidade. Aproveitem, pois eu, já aproveitei! 



Espero que gostem!

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

O que há para o jantar? Surpresa!

Decidi que este mês as compras seriam reduzidas ao mínimo dos mínimos. Isto de ir ao hiper para comprar um pacote de açúcar e sair de lá com um carro cheio (exagero, mas não muito longe da realidade), tem de acabar. Continuo a achar curioso o mito de gastar apenas 100 euros em hipermercado. Como diria a dona Milú: MISTÉRIO.

Bem que podiam fazer o remake!



No outro dia o S. perguntou o que era o jantar, eu respondi: Surpresa! E foi mesmo!




Ingredientes:
- 1 pacote de massa folhada;
- 200 gr de rojões;
- 1/2 cebola pequena;
- 1 maçã;
- amêndoa laminada q.b.;
- 2 fatias de queijo;
- sementes de sesamo;
- azeite q.b.;
- leite q.b.

Modo de preparação: 
Prepare o refogado. Acrescente a carne, reduzida a pequenos pedaços (deixe marinar num preparado de sal, algumas gotas de limão, colorau, alho picado e oregãos). Depois de ligeiramente alourada, adicione a maça cortada em pedaços. Por último acrescente as amêndoas laminadas. Rectifique o tempero com um pouco de vinho branco. Deixe apurar e desligue o fogo.
Deite o preparado anterior no meio da massa folhada previamente estendida,   polvilhe com o queijo ralado e feche-a.  Passe um pouco de leite na superfície e polvilhe com as sementes de sesamo. Leve ao forno pré-aquecido a 175ºC por 30 minutos, ou até alourar.

Acompanhe com salada e, porque este prato merece, com um bom vinho!


Espero que tenham gostado!

Só para licenciados!

Entra em casa e, estava a bimby a preparar o pão. Conversa puxa conversa, e começa ela a apitar, em jeito de aviso de que a tarefa estava terminada. Dois passos até à cozinha e, em espanto, quase berra: "Tens uma Bimby!?!?". Eu, com um sorriso de orelha a orelha e com um pingo de modéstia, digo um tímido sim (até porque era por demais evidente, pois ela estava em cima da bancada a olhar para nós). Ela: "É nova?, ou é em segunda mão?" UOH! Alto e pára o baile! O que significa isso? Terei escrito na testa: "Pessoa de parcos recursos"? Ah! "Poisé"! Que parva que sou! Só os licenciados é que têm direito a viver a vida e a ter coisinhas bonitinhas! Poisé Rita! Poisé!

Para não parecer ofendida e, para não ofender, adiantei que ponderei a hipótese de comprar em segunda mão, mas em conversa com amigas concluí que mais valia comprar uma nova e blablablabla.

Claro que fez questão de saber como é que eu a havia pago! Claro! De curiosidade morreu o gato, não é verdade! Novamente, muito serenamente respondi: "A pronto! Recebi um prémio da empresa que usei para esse efeito".

E sim, estou demasiado satisfeita. Muito mesmo. E prova disso, é o tempo livre que tenho para desfrutar da companhia do marido e do cão-filho!

Mais alguma pergunta?

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Não tarda nada, 'tás aqui em casa...

O que vos parece? O nosso está a precisar de reforma...

MÅNSTAD - Gobo bege escuro
Ou é o sofá, ou é a actifry. Tudo a ver, não é verdade? Mas são das coisas que encabeçam a lista das melhorias para 2013. Vamos a votos?

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

As minhas flores!

O meu querido foi um fufucho e gravou o filme "O Sexo e a Cidade 2"! Que surpresa tive ao conferir as gravações que havíamos feito! Fiquei em pulgas para ver, mas esperei por ele e, apesar de ter adormecido a meio do filme na noite de fim de ano, foi o filme escolhido para ver no fim de semana. Ao qual se seguiu mais um da saga Star Wars (já não tenho paciência para tantos sabres de luz...).

Tenho a partilhar que ando pouco caseira. Comecei o ano a almoçar na casa de uns amigos. No segundo dia do ano, fui lanchar ao Mac com o meu irmão mais velho e o sobrinho, com direito a passeio na praia. No dia seguinte, jantei na casa do mano. Sexta e sábado, inventei compras, aproveitando os saldos. No domingo, recebemos os primos do S. para almoçar o que significou ter o bebé A., de apenas 5 meses, connosco!

Relatando as compras que fiz, e que espero que se revelem económicas, optei por (começar a) comprar guardanapos de pano para quando temos visitas (tenho já uns mais velhotes que usamos diariamente), comprei também o respectivo acessório (que agora me falha o nome) e ainda uma toalha de mesa (não gostei muito da cor, mas era o que a carteira permitia), tudo na Zara Home.


4 guardanapos = 5,99€
4 anéis = 5,99€
toalha de mesa 170X170 = 19,99€

O engraçado foi que ao comprar a toalha, no final da noite, e porque a que tinha apesar de lavada continuava com umas nódoas esquisitas (que nem com super gel saíram), e porque fui de óculos (que estão a precisar de nova graduação) e porque me senti um Mr. Magoo, fui direitinha ao balcão e pedi à menina a toalha que estava na montra! Quando contei ao S. que ao entrar na loja senti que via tudo a km's de distância e que tudo me parecia demasiado "em tamanho formiga", e evitando "colar-me" a todas as etiquetas, pedi o apoio da colaboradora, fartá-mo-nos de rir! Se bem que ele ainda disse que eu mais parecia uma nova rica, por pedir o que estava na montra, sem mais perguntas!

Queria muito ter flores frescas, mas já não dispunha de dinheiro suficiente, mas, mesmo não tendo recebido os convivas com flores frescas, e porque as queria para mim e para o marido, aqui estão elas, acabadas de comprar! 


Aproveitei ainda para comprar terra para a minha orquídea que ficou assim:




Espero que tenham gostado das novidades! E vocês? Que alterações fizeram na vossa rotina e/ou em casa?

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Fazer bebés!

Com o início do novo ano, toda a gente se lembrou de desejar que eu tivesse um bebé! Claro que adoraria concretizar esse sonho. No entanto, e preocupada com outras responsabilidades, pensava adiar esse projecto para "um dia". Mas, eis que fico a saber, por uma querida amiga, que existe uma coisa que se chama Abono de Família Pré-Natal, que a futura mamã pode pedir a partir da 13ª semana de gestação! E pronto, retiro o que disse, de que o Estado não da incentivos à natalidade. Pode ser coisa pouca para uns, mas com certeza que para outros é de grande ajuda.

Isto para dizer, que se calhar chegou o momento de ... fazer filhos! 

Podem consultar aqui!

Arroz de feijão

Se há coisa que gosto, é de andar de cozinha em cozinha (entenda-se: de blogue em blogue), a sorver das excelentes sugestões que deixam e, claro, a comentar. Porquê? Porque também escrevo num espaço. Porque receber feedback é importante. Porque perceber que não escrevemos para o infinito motiva. Porque sentimos que temos um papel. Que fazemos companhia a alguém. Que alguém aprecia minimamente o que fazemos. E isso, é muito bom! Por isso, espreito, aprendo, comento e copio. Comentar não é admitir que outros o fazem melhor que nós. Comentar é valorizar o esforço de quem escreve. É garantir que amanhã poderemos recolher mais informação. Permitir que o escritor avance e apresente mais e melhor escrita. O mundo é de todos, e todos temos espaço neste mundo. Isto para dizer que gosto de comentar nos blogues dos amigos que sigo. E que a cada dia sinto que tenho o dever de apoiar as suas iniciativas e ideias, pois não existe nada pior do que sermos ignorados e criticados negativamente. Eu entendo o blogue como um medidor de crescimento pessoal e até, profissional para alguns. Por isso, gosto de dar a mão sempre que posso, sempre que consigo. Não perco uma ou duas horas a ler, meditar e comentar, ganho sim mais conhecimento através das experiências de outros! 

Tal como a Paula, também eu sinto uma carga de energia positiva que, como disse ontem à minha mãe, as pessoas até devem pensar que sou maluquinha! Maluca por em tempos de c**** (uma das palavras que não posso dizer), acreditar que posso ser feliz! Não precisava ouvir esta peça para ter a certeza de que vou ser feliz, mas claro que me reconfortou pois, sendo aquariana (não que viva pelo horóscopo) prezo a sanidade mental, detesto que os p******** (outra palavra que não posso dizer) me amarrem ao i********* (mais uma!).

Voltando às receitas! Fiquei de comentar o arroz de feijão branco, e tenho mesmo de o comentar, pois fiquei surpreendida com a velocidade a que foi consumido. Principalmente quando havia preparado uma generosa quantidade que, supostamente, permitiria ter acompanhamento adiantado para futuras refeições! 
 
Em outros tempos, fiquei de exemplificar as medidas que uso. Eu faço assim:
 
-> Se quero preparar arroz para uma porção, uso esta medida, uma chávena de café (aproximadamente 78 gramas):

Se quero preparar arroz para duas porções, duplico esta medida.
 
-> Se quero preparar arroz para quatro a seis porções, uso esta, uma chávena de chá (aproximadamente 340 gramas):

(oh! parece a mesma chávena, não parece?, mas garanto que não é!)
 
No entanto, actualmente opto sempre pela última opção, ficando com arroz para quando não me apetece perder tempo na cozinha.

 
Ingredientes para o arroz de feijão: - 1 chávena de chá de arroz; - 2 1/2 chávenas de chá de caldo da cozedura do feijão; - 1/2 cebola picada; - 1 colher de sobremesa de azeite; - sal q.b.; - 2 chávenas de chá de feijão branco.
 
Modo de preparação: Comece por preparar o refogado. Acrescente o arroz e envolva bem deixando dourar. Adicione o caldo e deixe cozer por 10 minutos, com o lume no mínimo (aqui, convêm ter em atenção o tipo de tacho utilizado, bem como a força do fogo, coisas que diferem de cozinha para cozinha). Passado esse tempo acrescente o feijão e, como o caldo estava temperado de sal, rectifique o tempero. Deixe cozinhar por mais 5 a 10 minutos. Sirva e delicie-se!

(O feijão foi cozido na panela de pressão, com uma cenoura, uma folha de louro, temperado com sal, azeite e pimenta e coberto com água fervida. O tempo de cozedura foi de 30 minutos).

Espero que tenham gostado! Até à próxima sugestão! *

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Rojões à moda da Rita

Com tanta coisa por causa do fim de ano, esqueci de partilhar que consegui cumprir com o objectivo de limpar e arrumar toda a casa. As paredes foram lavadas, e nem imaginam a diferença. O pó foi todo limpo. Inclusive as peças de arte (muito fino, né verdade) de madeira foram lavadas no poliban porque aquilo era pó misturado com aquela humidade esquisita.

As limpezas duraram mais de uma semana, pois além de não aguentar lavar tudo com lixívia em dias seguidos, como tinha de cumprir com a agenda do trabalho, foi complicado conciliar as duas coisas. No final do dia de segunda feira, último dia do ano, o meu olfacto e palato estavam um pouco alterados por causa da lixívia e, apesar de ter usado luvas, ainda fiquei com o braço esquerdo com umas borbulhinhas estranhas, será alergia à lixívia? Se comecei as limpezas no quarto e casa de banho, terminei nesta mesma zona. Voltei a limpar as portas todas com reparador, e acreditem ou não, já estão com indícios de nova praga! 

Estou ansiosa por conseguir o desumidificador e claro que vou seguir a sugestão da D.ª Isabel (a minha revendedora Bimby), e tentar comprar um no Cash Converters. De qualquer modo também estão disponíveis no OLX a preços interessantes. (Ai, nunca mais é sábado.)

Limpezas feitas, estou hiper orgulhosa da minha casa, mesmo assim, continuo a seguir atentamente os sites imobiliários para ver se aparece algo interessante. Adianto que desconfio a 100% das casas que não apresentam foto da cozinha e/ou da casa de banho. E detesto as que me apresentam foto do WC com loiças do tempo da minha avó, até sinto náuseas...

Chega de conversa. Este espaço também é de partilha de receitas, por isso, deixo a do jantar de ontem, rojões à minha moda (inspirado neste livrinho)


Ingredientes: - 200 gr de rojões; (- para o tempero: - sumo de limão (porque não tinha vinho verde maduro, que esqueço sempre de comprar); - sal; - colorau; - 5 dentes de alho laminados; - oregãos (o Jamie disse na televisão que esta erva combina bem com a carne de porco); - tomilho (porque me apeteceu); - 1 folha de louro.); - 4 fatias de bacon reduzidas a juliana; - 1 chávena de chá de cogumelos laminados (estou a experimentar a embalagem de cogumelos laminados congelados da marca Continente. Posso adiantar que passaram no teste!); - 2 colheres de sopa de banha de porco; - 1 cálice de vinho branco (como não tinha, atrevi-me a usar o espumante que sobrou do fim de ano, que resultou maravilhosamente).

Modo de preparação: Numa frigideira anti-aderente derreta a banha. Quando lhe parecer quente, adicione o bacon. Estando o bacon tostado, acrescente os cogumelos. Como os cogumelos largarão muita água (se usar os congelados) basta que verta o excesso de líquido no lava loiças (cuidado para não se queimar). Acrescente a carne e deixe alourar. Se entender necessário, aumente o lume para aquecer bem para que ao acrescentar o vinho aconteça aquele tchhhh! Deixe cozinhar em lume brando até evaporar o vinho. Polvilhe com salsa picada e sirva quentinho! Acompanhámos com arroz de feijão branco.

O modo de preparação do feijão branco, fica para amanhã! :) 

Espero que tenham gostado! See you soon! *


quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Ano novo, vida nova!

Se o ano de 2009 foi de conquistas, o 2010 foi desastroso, já o 2011 foi uma espécie de renascer, e o 2012 foi esplendoroso!
 
Em 2009, decidimos "construir" o nosso ninho. Mudei de emprego. Vivia um sonho.
 
Em 2010, fui confrontada com todo o negativismo que trabalhar em casa acarreta. Senti a solidão. E detestei.
 
Em 2011, comecei a dar mais importância aos amigos. Muito mais importância. Começaram os jantares a ser mais frequentes. Muito mais frequentes. Também as saídas para passear. Foi a natação e foi o ano em que acolhemos o Zeca. Senti-me uma pessoa muito mais feliz. Mas mesmo muito mais.
 
Em 2012? UI. Foi de rebentar a escala! Não me lembro de ter tido um ano tão excelente! Em todos os sentidos. Tornei-me melhor pessoa. Mais atenta com os outros e comigo. Passei a gostar muito mais de mim. E acho que para sermos bem sucessidos em todos os aspectos, este é fundamental. Os convívios com os amigos foram ainda mais frequentes. As saídas com os amigos e familiares foram ainda mais regulares. Os passeios com o marido, também. Andei menos rezingona, ainda que refilona q.b.. Andei muito mais bem disposta e percebi que estar bem comigo, é estar bem com toda a gente! Se era uma pessoa positiva, mais positiva fiquei, e percebi que isso só me ajudou a fazer conquistas.
 
Em casa, melhorei muitas coisas, muitas coisas mesmo! Ao ponto de o meu sobrinho mais novo (que é um fofo!) ter dito que de cada vez que cá vem, a nossa casa está mais bonita. E está mesmo! Mas ainda falta tanta coisa. Pormenores que farão alguma diferença. Trocámos alguns electrodomésticos, melhorámos um pouco o aspecto visual de algumas divisões, abrimos os cordões à bolsa e, perdendo o amor ao dinheiro e, redefinindo prioridades, lá colocámos os cortinados (nada de extravagante, pois o IKEA tem opções económicas) que deram o aconchego à muito reclamado.
 
Mas, tenho ainda muitos planos. Por isso, este ano, quer-se pleno de saúde, felicidade e trabalho. Muito trabalho, porque as poupanças são muito pequeninas e anseio por as ver crescer mais um bocadinho.
 
A grande notícia? Volto ao meu horário antigo com o vencimento antigo! Até ao último dia do ano de 2012, foram muitas as boas notícias, e isso, só pode ser um bom presságio!
 
Outra boa notícia? Continuo com o blogue, que muita companhia me tem feito. Tem sido uma aventura que me tem ajudado a perceber que a minha capacidade de persistência é muito maior do que a que eu conhecia ter! Sempre me vi como uma criança com um brinquedo novo, que nos primeiros dias não o larga até ao momento de já não ver nada de especial nele, chegando o dia em que o brinquedo não é brinquedo, perdendo todo o significado e magia.
 
Mais uma boa notícia? Acompanhem os dias da nossa vida, e logo se verá que outras boas notícias poderão surgir!
 
Com um enorme sorriso vamos superar este ano e viver cada dia com um enorme sorriso!
 
Estas, são as palavras proibidas cá em casa: crise, problema e impossível. Acho que vou criar uma multa! (Se bem que ontem, meti o pé na argola e disse a primeira palavra...)
 
Um grande 2013! E lembrem-se: "YES, WE CAN!"